Vendas de ônibus usados caem 44,75% no primeiro semestre de 2020

Queda ocorre por conta da crise gerada no setor de transportes pela pandemia de Covid-19. Foto: Adamo Bazani (meramente ilustrativa).

Ao todo, foram 13.875 veículos seminovos comercializados no período, comparados a 25.115 nos seis primeiros meses de 2019

JESSICA MARQUES

As vendas de ônibus usados caíram 44,75% no primeiro semestre de 2020. No total, foram 13.875 veículos seminovos comercializados no período, comparados a 25.115 nos seis primeiros meses de 2019.

Os dados foram divulgados no início de julho pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). A queda ocorre por conta da crise gerada no setor de transportes pela pandemia de Covid-19.

Ainda de acordo com a Fenabrave, apenas em junho deste ano foram 1.741 ônibus usados comercializados. No mesmo mês de 2019, foram 3.839 veículos vendidos, o que representa uma queda de 54,65%.

Por sua vez, em comparação a maio deste ano, o número está positivo. Na ocasião, o mês acumulou 1.168 vendas de ônibus seminovos, um aumento de 49,06% frente às 1.741 unidades do mês passado.

VEÍCULOS NOVOS

A crise também afeta as vendas de ônibus novos em todo o país. A Fenabrave também divulgou um balanço do setor com relação aos emplacamentos de veículos zero-quilômetro.

As vendas de ônibus novos acumularam uma queda de 36,5% no primeiro semestre deste ano. De acordo com o balanço, foram comercializadas 7.875 unidades de janeiro a junho deste ano. Por sua vez, foram 12.402 novos ônibus vendidos no mesmo período de 2019.

Relembre: Vendas de ônibus novos acumulam queda de 36,5% no primeiro semestre de 2020

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. orlando silva disse:

    Bom dia gente ! Quero crer, que os carros que foram vendidos da primeira empresa recebam um certificado de manutenção, Um OK de mecânica reparada, para que o segundo comprador tenha certeza de que aquele carro esteja em perfeito estado para trafegar de volta. E o segundo dono teria a obrigação de a cada ano, apor um selo de vistoria de manutenção com validade, de acordo com numero de viagens feitas. Toda peça se gasta com o uso, e sei muito bem que nem toda empresa faz a reparação corretamente. Um cabo que desgasta, correia viciada, rodas, suspensões, etc. A EMTU tem selo de revisão Mas o que me chama atenção é a Viação ABC, com CAIOs novos tem esse selo e os carros da EAOSA, S. Camilo, Ribeirão terem esse selo com veículos de mais de 10 anos de uso..Não consigo entender, já que é de costume ver carros de linha Mauá-Sacomã,.. Ribeirão Pires – Sacomã, parados com defeitos na avenida Goiás, na avenida D. Pedro II, por exemplo. Tem algo errado nessas emissões de selos.

Deixe uma resposta