Motoristas de ônibus de SP prometem atrasar saída das garagens contra redução de frota

Publicado em: 29 de junho de 2020

Maior parte dos cortes foi feita em linhas estruturais ou de articulação regional

Trabalhadores temem demissões e lotação, que pode aumentar o risco de contágio pela Covid-19

ADAMO BAZANI

Os ônibus em São Paulo devem sair mais tarde das garagens na quarta-feira, 01º de julho de 2020.

A promessa é do o Sindmotoristas, sindicato que representa os motoristas e cobradores de ônibus, que foi contrário à medida de reedução de frota pela SPTrans.

A decisão ocorreu em assembleia na sede sindical para discutir o assunto.

A diminuição da frota traz dois temores à categoria: maior risco de contágio da Covid-19 pela lotação pelo fato de menos ônibus estarem rodando e demissões.

No dia 25 de junho de 2020, a SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora do sistema da capital, promoveu a redução de 988 ônibus das linhas municipais, em 442 linhas, a maior parte estruturais e de articulação regional (viações mais tradicionais). A redução de ônibus do subsistema local de distribuição (ex-cooperativas).

Com isso, o total de ônibus em operação foi reduzido dos até então 11.779 coletivos (92,31% da frota de antes da pandemia) para 10.791, ficando 84% da frota de antes da pandemia.

A prefeitura justifica a medida dizendo que, mesmo com a retomada de algumas atividades econômicas, a demanda tem ficado nos últimos dias em 1,3 milhão de pessoas por dia. Antes da pandemia, eram 3,3 milhões de pessoas diariamente.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/06/24/sptrans-vai-reduzir-em-988-onibus-a-frota-das-linhas-municipais-e-chama-divulgacao-de-sindmotoristas-de-irresponsavel/

Em nota, a SPTrans explica que monitora a frota e o comportamento da demanda:

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes e da SPTrans, informa que, desde o início da quarentena em São Paulo, manteve a frota de ônibus operando em níveis acima da demanda apresentada.

Na semana passada, a SPTrans iniciou um processo de readequação da frota de ônibus em operação, justamente para manter um percentual maior de veículos nas regiões mais distantes do centro mesmo com a queda de demanda. A reestruturação foi feita nas linhas que apresentam maior índice de ociosidade. Desde o início da pandemia, a SPTrans tem mantido a oferta de ônibus bem acima da demanda. No mês de junho, enquanto a frota foi mantida em  84%, a demanda de passageiros se mantém em 42%.

A SPTrans segue monitorando a demanda de passageiros e a oferta para realizar os ajustes operacionais quando constatada necessidade.

Ações da SPTrans

Vale lembrar que a SPTrans adotou medidas para que diversas práticas novas fossem incorporadas na rotina do sistema. Além da limpeza mais pesada já realizada diariamente nas garagens em todos nos veículos, a higienização passou a ser feita também entre as viagens, nos terminais, principalmente nos locais onde há contato mais frequente dos passageiros, como balaústres, corrimãos e assentos. O uso de máscara passou a ser obrigatório para todos e a SPTrans autorizou as empresas concessionárias a isolarem seus motoristas com cortina em “L”. Os terminais de ônibus também passaram a ser higienizados com mais frequência e ganharam marcação no solo.

Ações de orientação e conscientização sobre cuidados e higiene pessoal também continuam sendo realizadas com todos os operadores, por meio das concessionárias, e com os passageiros, por meio de mensagens sonoras e cartazes nos terminais, redes sociais e no Jornal do Ônibus. 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Nelson apareci vieira disse:

    Esse sindicatos dos motoristas de onibus de SP e uma comédia mesmo se atrasar a saída dos coletivos nas garagems só vai contribuir para os trems metro e perueiros andarem lotados
    Quanta incapacidade de rasocinio

  2. JOSE LUIZ VILLAR COEDO disse:

    BURRICE! SÓ da mais “MUNIÇÃO” p/ os Empresários “TRADICIONAIS” acabarem com mais postos de trabalho…Principalmente Cobradores ! E O CORONAVIRUS pega qq um em qq lugar! Principalmente nos Ônibus Munipais e EMTU e Trens da CPTM e METRÔ lotados “até a tampa” !

  3. Regina da Silva Pereira disse:

    A população deveria ajudar estes meninos eles trabalham sobre riscos de ficarem doentes passageiros que não respeitam e tudo mais fora os xingos que muitos levam sou passageira e defendo esta categoria pois eles sao pessoas do bem e homens e mulheres trabalhadores

Deixe uma resposta