Belo Horizonte retrocede na abertura das atividades econômicas e só voltarão ser permitidos serviços essenciais

Com restrições, demanda dos ônibus deve cair

Números de casos e óbitos, além da ocupação dos leitos de UTI cresceram, de acordo com prefeitura

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

A prefeitura de Belo Horizonte informou nesta sexta-feira, 26 de junho de 2020, que a partir de segunda-feira, 29, a capital mineira volta para a fase de controle (vermelha) da quarentena por causa da Covid-19.

Com isso, só podem funcionar atividades essenciais e, mesmo assim, com horários reduzidos (veja relação abaixo)

Segundo nota da gestão Alexandre Kalil, “o alerta geral permanece pela terceira semana consecutiva no vermelho, o que pressionou o Executivo Municipal a definir pela regressão no processo de reabertura dos setores econômicos da cidade.  A ocupação de leitos de UTI para Covid-19 saltou de 78% para 85% (vermelho), no comparativo entre o último relatório, apresentado no dia 19, e o desta semana. Houve um aumento também na ocupação dos leitos de Enfermaria, passando de 61% para os atuais 69% (amarelo).”

De acordo com o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, André Reis, muita gente começou a circular sem necessidade com a implantação das fases 1 e 2 de reabertura. Prova disso, segundo Reis é que a participação dos empregos nas atividades autorizadas a funcionar aumentou de 86% (fase de controle) para 92%, o que não justificaria isoladamente o avanço do contágio. Sendo assim, o retorno para a fase mais restritiva, foi necessário.

“Não é possível explicar a movimentação da cidade somente pela abertura do comércio, considerando o retorno de trabalhadores.  A nosso ver as fases de reabertura trouxeram em conjunto um relaxamento geral da cidade quanto às medidas de isolamento, distanciamento e prevenção, o que pode ter tido este forte impacto no crescimento da transmissão da doença”, disse.

Fase de controle – Permanecem abertos

Atividades autorizadas a funcionar nos termos do Decreto nº 17.313, de 21 de março de 2020, do Decreto nº 17.328, de 8 de abril de 2020, e do Decreto nº 17.332, de 16 de abril de 2020.

Atividade

Faixa de horário de funcionamento

Padaria

5h às 21h

Comércio varejista de laticínios e frios

7h às 21h

Açougue e Peixaria

Hortifrutigranjeiros

Minimercados, mercearias e armazéns

Supermercados e hipermercados

Artigos farmacêuticos

Sem restrição de horário

Artigos farmacêuticos, com manipulação de fórmula

Comércio varejista de artigos de óptica

Artigos médicos e ortopédicos

Tintas, solventes e materiais para pintura

7h às 21h

Material elétrico e hidráulico, vidros e ferragem

Madeireira

Material de construção em geral

Combustíveis para veículos automotores

Sem restrição de horário

Comércio varejista de gás liquefeito de petróleo (GLP)

Comércio atacadista da cadeia de atividades do comércio varejista da fase de controle

5h às 17h

Agências bancárias: instituições de crédito, seguro, capitalização, comércio e administração de valores imobiliários

Sem restrição de horário

Casas lotéricas

Agência de correio e telégrafo

Comércio de medicamentos para animais

Sem restrição de horário

Atividades de serviços e serviços de uso coletivo, exceto os especificados no art. 2º do Decreto nº 17.328, de 8 de abril de 2020

Sem restrição de horário

Atividades industriais

Sem restrição de horário

Restaurantes (delivery ou retirada na porta)

Sem restrição de horário

Banca de jornais e revistas

Sem restrição de horário

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Willian Moreira, em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta