Sindicato dos Motoristas de SP ameaça fazer manifestações se SPTrans não colocar 100% da frota nas ruas

Trabalhadores dizem temer risco com lotação

Recomendação da SPTrans é de que nenhum passageiro seja transportado e pé na flexibilização da quarentena

ADAMO BAZANI

O Sindmotoristas –  Sindicato dos Motoristas de São Paulo ameaça fazer manifestações em terminais de ônibus da capital paulista caso a gerenciadora do sistema SPTrans – São Paulo Transporte não coloque 100% da frota em operação neste momento de flexibilização da quarentena.

A entidade que representa os motoristas e cobradores quer o retorno imediato das operações integrais e diz que protocolou um ofício com o pedido a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes.

O sindicato justificou que é necessário evitar lotação, mesmo com a demanda menor de passageiros, para não expor os funcionários das empresas e os passageiros ao risco de contágio da Covid-19.

Nesta segunda-feira, 08, foram colocados mais 784 coletivos em circulação, o que significa 9.178 veículos ou 71,62% da frota operacional nos dias úteis pré-quarentena. Na sexta-feira da semana passada, eram 8.394 veículos (65,5% da frota de ônibus municipais da capital paulista de um dia útil de antes da pandemia).

O prefeito Bruno Covas, em entrevista coletiva nesta segunda-feira, ao lado do governador João Doria, ameaçou demitir o secretário Edson Caram se até sexta-feira, 12, estiverem passageiros sendo transportados em pé nos ônibus da capital.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/06/08/bruno-covas-diz-que-se-ate-sexta-feira-ainda-estiverem-passageiros-em-pe-nos-onibus-vai-demitir-secretario-de-transportes/

O Diário do Transporte aguarda da SPTrans o percentual de frota desta terça-feira, 09

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. Gisele disse:

    Precisa voltar a linha 5632-10 Largo Sao Francisco-Vila Sao Jose .Uma linha antiga e que esta fazendo muita falta.

Deixe uma resposta