SPTrans formaliza protocolos de transportes na cidade de SP em pandemia e relaxamento da quarentena

Publicado em: 6 de junho de 2020

Sistemas de ônibus deverão se adaptar à atual realidade

Ônibus vazios em locais estratégicos com maior demanda, uso preferencial de veículos sem ar-condicionado e viagens somente com passageiros sentados estão entre as medidas. Para os passageiros, além do uso obrigatório de máscara, há orientações como evitar conversar dentro do ônibus, aguardar o veículo menos lotado, realizar trajetos curtos ou médios de bicicleta ou a pé

ADAMO BAZANI

As empresas de ônibus de São Paulo já são obrigadas a seguir uma seguir uma série de protocolos de operação para a pandemia da Covid-19 e para o restabelecimento de algumas atividades nas diferentes fases do plano de relaxamento da quarentena do Governo do Estado.

A SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora dos ônibus da cidade, formalizou as regras gerais para empresas e passageiros.

Entre os pontos, para as viações e a área operacional da SPTrans  está a orientação de  “realizar as viagens sem exceder a capacidade de passageiros sentados” e “disponibilizar ônibus vazios em pontos estratégicos com maior demanda”, como disse nesta sexta-feira, 05 de junho de 2020, o secretário municipal de Mobilidade e Transportes de São Paulo, Edson Caram em entrevista ao Diário do Transporte.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/06/05/prefeitura-de-sao-paulo-vai-determinar-que-onibus-urbanos-so-transportem-pessoas-sentadas-diz-caram/

A publicação traz outras determinações como uso preferencial de veículos sem ar-condicionado, ou seja, dos veículos com cinco anos ou mais, já que a partir de 2015 todos os ônibus 0 km inseridos no sistema de São Paulo tiveram de ser dotados de equipamentos de refrigeração.

As empresas também foram recomendadas a oferecer “proteção por meio de cabines ou isolamento da posição do motorista”. Algumas companhias estão colocando cortinas plásticas transparentes na área de motoristas e cobradores.

Para o poder público, entre as recomendações está aperfeiçoar venda de créditos eletrônicos para reduzir o uso de dinheiro nos veículos com a criação de atendimento digital de serviços do Bilhete Único e a ampliação de novas tecnologias para pagamento de passagem (NFC – tecnologia de leitura de cartão por aproximação). Além disso, a SPTrans deve garantir o distanciamento mínimo de um metro nas filas de embarque nos terminais e subsídios para manter os empregos dos motoristas e cobradores.

Para os passageiros, além do uso obrigatório de máscara, há orientações como evitar conversar dentro do ônibus, aguardar o veículo menos lotado, realizar trajetos curtos ou médios de bicicleta ou a pé e não usar o transporte coletivo se estiver com sintomas da Covid-19, como febre, coriza, tosse, falta de ar, perda de paladar e/ou olfato, dor de garganta e dor de cabeça, por exemplo, isoladamente ou associados.

Segundo a SPTrans, as determinações e recomendações tiveram como base a “melhores práticas dos operadores/gestores de transporte da Ásia, Europa e Estados Unidos e em relatórios da UITP, OMS e Banco Mundial”.

Veja na íntegra:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Anderson Araújo disse:

    Isso vai funcionar na prática? Quem precisa trabalhar não vai querer (ou poder) ficar esperando ônibus com banco vazio. Nesse cenário, os ônibus poderão “queimar pontos” para evitar a lotação ou transporte de pessoas em pé? E outra; nesse mesmo cenário, com ônibus fazendo trajetos parciais, pode não dar conta, já que a quantidade de veículos na rua é pouca (as empresas estão se baseando em programações de sábado e feriados). Se resolveram essas questões, pode ser que dê certo…

  2. gislene.mlg@hotmail.com disse:

    Esse bilhete é verdade? Gente pelo amor de Deus isso aqui na cidade de São Paulo não vai funcionar nunca.

  3. Ivanildo Da Silva disse:

    Utópico! Absurdo! A realidade em SP é muito surreal. Pega-se ônibus lotado em plena 14:30 da tarde na zona sul como se não houvesse isolamento social. Ficar esperando ônibus mais vazio pra ir ou voltar sentado em horário de pico, só se for pra chegar no serviço ou retornar pra casa no final de semana! Desculpa, mas não está dentro da realidade!

  4. amor perfeito netdailaisonina disse:

    A questão é que os ônibus já saí de alguns terminais super lotados, sem esquecer da fila que fica esperando o próximo ônibus….. Como fica os passageiros do percurso???….

  5. Rivelino disse:

    Mentira trabalho no sistema, ja vao fazer 3 meses e continua a frota q sempre esteve desde quando começo a quarentena, as empresas nao colocam, tao r afastando funcionários por 2 meses.

  6. Nelson apareci vieira disse:

    Quer dizer q sentar ao lado do passageiro tendo um a sua frente e outro atrás com distância mínima é distanciamento social
    Só se for na cabeça desses burros da prefeitura é Sp trans

  7. Nelson apareci vieira disse:

    A onde q mesmo com os
    passageiro sentados nos ônibus ñ tem distanciamento social sendo q estão um do lado do outro

Deixe uma resposta