Produção de ônibus no Brasil tem queda de 35% no acumulado do ano

Crise do novo coronavírus afetou setor automobilístico. Foto: Divulgação / VWCO.

Em maio, comparado ao mesmo mês de 2019, retração foi de 56%

JESSICA MARQUES

A produção de ônibus no Brasil apresentou uma queda de 35% no acumulado do ano. O percentual considera de janeiro a maio deste ano em comparação ao mesmo período de 2019.

Os dados foram divulgados pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) na manhã desta sexta-feira, 05 de junho de 2020. Foram 7.589 unidades produzidas nos cinco primeiros meses deste ano e 11.689 no mesmo período de 2019.

Ainda de acordo com a associação, em maio, comparado ao mesmo mês de 2019, a retração foi de 56%. Foram 615 ônibus produzidos no quinto mês do ano passado e apenas 43 unidades no mês passado.

O resultado apresentado para o mês de maio, incluindo caminhões, é o pior desde 1985, conforme informado pela Anfavea.

“Ônibus foi o segmento que mais caiu. Claramente por conta do turismo que inexiste nesse momento e até do transporte público”, disse o vice-presidente da Anfavea, Gustavo Bonini. “O que existe de movimentação é o Caminho da Escola, que motivou a produção e o licenciamento que tivemos neste mês”, explicou.

anfavea

De acordo com o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, o resultado negativo se dá por conta da crise do novo coronavírus no Brasil e no mundo. Outras categorias também estão sendo afetadas pelo período. O setor de automóveis, por exemplo, teve o pior maio desde 1992 com relação a emplacamentos.

Em abril, as montadoras ficaram aproximadamente 20 dias com as portas fechadas por conta da pandemia de Covid-19. Por esse motivo, o mês segue com os piores resultados do ano.

Em maio, deu-se início à retomada das atividades do setor, mas a crise segue afetando a produção de veículos por conta da demanda dos operadores, que foram diretamente impactados pela crise.

Relembre: Entrevista: NTU estima que metade das empresas de ônibus do país vão falir

Leia também: Crise do coronavírus: 40% das empresas de ônibus interestaduais não vão conseguir se reerguer após pandemia, estima Abrati

LICENCIAMENTO

Ainda de acordo com a Anfavea, o licenciamento de ônibus apresentou uma queda de 42,7% no acumulado do ano. Foram 4.647 veículos de janeiro a maio deste ano e 8.104 no mesmo período de 2019.

Apenas em maio, foram licenciados 666 ônibus neste ano. Comparado ao mesmo mês de 2019, a queda foi de 61%, quando foram licenciados 1.713 veículos. Contudo, em abril deste ano foram 320 unidades, um aumento de 108% em 30 dias.

Confira o ranking de marcas, de acordo com a Anfavea, no acumulado do ano:

1º) Mercedes-Benz: 2.521 unidades, queda de 40,3%

2º) MAN/Volkswagen: 1.041 unidades, queda de 51,6%

3º) Agrale (inclui os miniônibus da Volare): 542 unidades, queda de 45,1%

4º) Volvo: 183 unidades, queda de 42,6%

5º) Scania: 165 unidades, queda de 29,8%

6º) Iveco (inclui os miniônibus CityClass): 104 unidades, queda de 26,2%.

EXPORTAÇÕES

O número de exportações de ônibus também apresentou queda no período. De janeiro a maio deste ano, a retração foi de 57,9%, passando de 3.194 para apenas 1.345 unidades.

Em maio, foram 70 ônibus vendidos para fora do país neste ano. No mesmo mês de 2019, foram 551, uma queda, portanto, de 51,7%.

De acordo com o presidente da Anfavea, a crise da Covid-19 afetou países que aquecem o mercado automotivo do Brasil, de modo geral, como Argentina, Perú, Chile, Colômbia, entre outros.

PREVISÃO

A Anfavea apresentou ainda a previsão de queda de 40% nas vendas de autoveículos novos em 2020. O percentual inclui o conjunto de veículos, composto por automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

No cenário apresentado pelo presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, o total de licenciamentos será de 1,675 milhão de veículos. No ano passado, foram licenciados 2,788 milhões de autoveículos.

“A queda impressiona, e é ainda mais grave na comparação com o resultado de 3,050 milhões que havíamos projetado no início do ano, configurando um tombo de 45%”, disse.

Confira os dados, na íntegra, na coletiva de imprensa:

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta