Viação Santa Clara encerra atividades no interior de Santa Catarina

Publicado em: 4 de junho de 2020

Ônibus da Viação Santa Clara, em Mafra (SC). Foto: Alexandre F. Gonçalves

Empresa atendia o transporte municipal das vizinhas Rio Negro (PR) e Mafra (SC)

ALEXANDRE PELEGI

Mais uma empresa de transporte coletivo fecha as portas por causa da pandemia de Covid-19.

Nesta terça-feira, 02 junho de 2020, a Viação Santa Clara, localizada em Mafra, no interior de Santa Catarina, encerrou as atividades após mais de 30 anos de funcionamento.

A empresa atuava ainda na vizinha cidade de Rio Negro, no interior do Paraná.

Por conta das medidas restritivas impostas pelo enfrentamento à disseminação do coronavírus, a empresa ficou cerca de 3 meses sem circular, o que gerou um déficit financeiro que a impediu de seguir operando. Como mostrou o Diário do Transporte, o governo de Santa Catarina decidiu suspender o transporte coletivo em todo o Estado no dia 18 de março.

Num total de cerca de 40 funcionários demitidos, estão motoristas, mecânicos e outras funções.

A Viação Santa Clara tinha 8 rotas em Mafra e Rio Negro e 313 paradas de ônibus.

As duas cidades, apesar de estarem em estados diferentes, estão localizadas em margens opostas do Rio Negro, mas unidas em pontos de travessia, formando um aglomerado urbano de cerca de 90.000 habitantes. Dados do IBGE de 2016 apontavam Mafra com 55.611 habitantes e Rio Negro com 33.628.

Em nota divulgada em seu site no mesmo dia do encerramento das atividades da Santa Clara, a prefeitura de Rio Negro emitiu nota informando que sempre procurou atender as exigências da empresa em todos os anos de serviços prestados no transporte coletivo entre Mafra e Rio Negro. “Concordamos com a redução de linhas, quando a Santa Clara solicitou, pois algumas davam prejuízo pelo baixo número de passageiros. Fizemos, em conjunto com o município de Mafra-SC, também com grande desejo da empresa Santa Clara, a criação do Consórcio Intermunicipal Urbano, para gerenciar o transporte coletivo das duas cidades”, afirma a nota.

A prefeitura de Rio Negro, por estar situada no Paraná, onde não havia restrição ao transporte público municipal, solicitou à Viação Santa Clara que retomasse as linhas apenas nos trajetos do município. “Mas a empresa nos respondeu que sem majoração das tarifas e sem o pagamento de um subsídio por parte da prefeitura, não teria o interesse em continuar prestando serviço de transporte público aqui”.

A prefeitura informa, por fim, que vem buscando alternativas desde então para seguir com o transporte coletivo público.

O Consórcio Intermunicipal Urbano está entrando em contato com novas empresas que possam se interessar em assumir o transporte público coletivo de “Riomafra” – o atendimento às duas cidades.

Leia a nota na íntegra:

nota_oficial_santa_clara_page-0001

CREDENCIAMENTO

Na véspera, 01 de junho de 2020, a Prefeitura de Rio Negro divulgou um Processo de Credenciamento de prestadores de Serviço de Transporte Coletivo Alternativo de Passageiros para três rotas dentro do Município e uma para o interior, em ligação com a localidade da Fazendinha.

O edital prevê prazo de credenciamento às empresas interessadas até dia 03 de julho. O credenciamento valerá para três meses, sujeito à prorrogação.

Link para o Edital: RIO NEGRO EDITAL DE CREDENCIAMENTO

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Apesar de que NADA MUDA NO BARSILei, o tema abaixo tem de ser debatido numa live com representantes do Ministério da Economia, preferencialmente com o Ministro Paulo Guedes que tem a cabeça aberta.

    Vejam que grave e de suma importância ta colocação da Viação Santa Clara; lembrando que outras ex empresas jpa disseram a mesma coisa.

    “Mas a empresa nos respondeu que sem majoração das tarifas e sem o pagamento de um subsídio por parte da prefeitura, não teria o interesse em continuar prestando serviço de transporte público aqui”.

    E agora José?

    Com ficará o buzão no BARSILei.

    Muito embora o ocorrido não tem como origem o COVID-19, afinal o ramo do buzão está deixando de ser lucrativo há muito tempo e em várias localidades, até mesmo em Sampa com um alto subsídio sustentado pela lomba do contribuinte.

    Fica ai a sugestão; quem avisa amigo é.

    Mas é claro que todos nós já sabemos que muito em breve sai quentinha do forno uma PIZZA acompanhada de um contrato emergencial, claro, patrocinado pelos contribuintes.

    Deixo duas perguntas para reflexão de todos.

    Pra que licitação do buzão?

    Pra que menor preço se na hora H paga-se o preço cheio da PIZZA?

    NADA MUDA NO BARSILei.

    SAÚDE A TODOS!

    Att,

    Paulo Gil

  2. Rodrigo Hoelzl disse:

    Para informação completa, e auxiliar a informação, sobre toda a problemática dessa operação, a empresa notificou a prefeitura de Rio Negro-PR em 08 de abril de 2020, requerendo providências emergenciais para retomada das atividades, sendo que até o presente momento, não houve sequer resposta do município.

    A única ação que Rio Negro fez foi credenciar vans para fazer o serviço, sem êxito. Ou seja, não querem resolver de fato o problema que está se arrastando a tempos.

    Também em expediente próprio, a empresa protocolou em 14 de Abril de 2020, antecipando-o em e-mail endereçado as secretarias competentes em 08 de abril de 2020, ou seja, também sem manifestação alguma por parte da municipalidade de Mafra. A respeito desse expediente, em especial, a empresa ingressou com medida judicial na Justiça do Estado de Santa Catarina, para que o MUNICÍPIO DE MAFRA apresente a sua manifestação.

    A empresa ingressou na justiça para que a prefeitura responda o expediente! A que ponto chega o descaso….

    A única certeza é que as prefeituras não falarão nunca a verdade.

    Essa empresa NÃO foi vítima do COVID-19. Foi vítima do descaso público e da incompetência administrativa. Infelizmente, essa prática do descaso virou um padrão no setor em todo o país.

    Rio Negro-PR e Mafra-SC procuram empresas que queiram perder dinheiro no transporte público dos municípios!

Deixe uma resposta