Máscaras faciais fabricadas pela BYD começam a ser comercializadas no Brasil

Fabricante chinesa de ônibus elétricos com unidade em Campinas montou, na China, uma das maiores fábricas de máscaras do mundo

ALEXANDRE PELEGI

A BYD, empresa chinesa com planta em Campinas para produção de chassis de ônibus elétricos, decidiu criar uma fábrica totalmente distinta de suas demais linhas de produção. O motivo? A pandemia do Coronavírus, uma grande ameaça à saúde e aos meios de subsistência globais.

A decisão partiu do Presidente Global da empresa, Wang Chuanfu, que ainda em janeiro teve a iniciativa. A fábrica, com sede na China, iniciou a fabricação de máscaras faciais e gel esterilizante após a empresa receber permissão do governo chinês para converter uma de suas unidades, em Shenzhen, para a produção de máscaras descartáveis e garrafas de gel antisséptico.

Um mês depois, a empresa se tornava uma das maiores fabricantes do produto no mundo.

Com a expansão da COVID-19, os produtos serão comercializados a partir de agora também no Brasil.


fabricamascaras


FORÇA-TAREFA

A força-tarefa está composta por diferentes divisões de negócios e conta com mais de 3.000 engenheiros, e respondeu não só pela nova planta fabril, como encarou o desafio de ampliar a sua capacidade de produção para atender à demanda.

Hoje, funcionando 24 horas por dia, é capaz de produzir 5 milhões de máscaras diariamente.

Feita com materiais ultra macios e de alta qualidade, e com tripla camada de proteção, as máscaras BYD são de fácil respiração e possuem encaixe apropriado.

Recentemente, a empresa enviou gratuitamente para empresas parceiras do mercado fotovoltaico, milhares de unidades, uma forma de ajudar a segurança de todos os trabalhadores no ambiente de trabalho.

A iniciativa de Wang Chuanfu foi parar na lista da revista Fortune dos 25 maiores líderes do mundo que têm se destacado como heróis no combate à pandemia da COVID – 19.

A pandemia do Coronavírus é um grande desafio para o mundo, que requer um esforço conjunto, assim como a questão climática, que demanda cooperação entre organizações multilaterais”, afirmou Adalberto Maluf, diretor de marketing da BYD no Brasil.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta