DF prorroga até 30 de junho validade de vistorias de ônibus, táxis e aplicativos

Publicado em: 4 de junho de 2020

Foto: Agência Brasília

Medida também vale para os veículos do transporte coletivo privado e turístico

ALEXANDRE PELEGI

Em decorrência das medidas tomadas para evitar a propagação do novo coronavírus, causador da Covid-19, a Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob) do Distrito Federal prorrogou a vigência das vistorias de ônibus do transporte público, táxis e aplicativos até 30 de junho.

As portarias com a decisão foram publicadas nesta quarta-feira, 3 de junho de 2020, no Diário Oficial do DF.

A prorrogação alcança ainda os veículos do transporte coletivo privado e turístico, e vale para as vistorias com prazo de validade entre os dias 9 de março e 29 de junho de 2020.

Até o dia 30 de junho, a Semob também prorrogou as autorizações dos táxis, cujas vigências encerraram ou encerrarão entre os dias 1° de fevereiro e 30 de junho.

Após essa data, um cronograma de apresentação dos veículos será apresentado pela Semob para realização de procedimento de vistoria. O objetivo é evitar sobrecarga das atividades dos setores responsáveis por executar o serviço.

Além da prorrogação da vistoria obrigatória, a Semob ratificou a proibição do embarque de passageiros do serviço táxi na plataforma superior do Terminal 1 do Aeroporto Internacional de Brasília – Presidente Juscelino Kubitscheck.

Para isso, foi atualizou o texto da Portaria 48/2020, que controla o acesso de taxistas ao aeroporto para evitar aglomerações. Essa determinação acontece em concordância com a organização de acesso ao meio-fio de embarque e desembarque de passageiros estabelecida pela concessionária do terminal.

Em outras normas publicadas nesta quarta-feira, a Semob ratifica a determinação para que os passageiros e motoristas de táxis e de aplicativos utilizem máscaras de proteção facial. Os vidros dos veículos deverão estar abertos e a higienização dos veículos deverá ser intensificada, mediante uso de álcool etílico hidratado 70% INPM, em especial dos pontos de maior contato, tais como maçanetas, bancos, volantes, apoios de braços e cintos de segurança.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta