Marília (SP) decreta retomada do transporte coletivo nesta segunda-feira, 01

Publicado em: 30 de maio de 2020

Ônibus em Marília voltam a circular na próxima semana. Foto: Vinicius de Oliveira Munhoz

Prefeito sanciona Lei municipal que contraria o Plano São Paulo e determina regras mais flexíveis para abertura do comércio

ALEXANDRE PELEGI

A Prefeitura de Marília, interior de São Paulo, publicou na edição do Diário Oficial do município deste sábado, 30 de maio de 2020, decreto (nº 13025) que define a retomada dos serviços de transporte coletivo urbano e de transporte coletivo de passageiros entre Marília e seus Distritos.

Na sexta-feira, 29, o prefeito Daniel Alonso já havia sancionado uma Lei, aprovada pela Câmara Municipal, flexibilizando a quarentena na cidade a partir desta segunda-feira, 1º de junho, mesma data de retorno do transporte municipal.

De acordo com o Decreto deste sábado, os serviços de transporte entre Marília e seus Distritos serão prestados pelas empresas concessionárias a partir de 01 de junho de 2020, em todos os dias da semana, observadas algumas condições.

Segundo o documento, a Associação Mariliense de Transporte Urbano – AMTU deverá disponibilizar as linhas necessárias para atendimento, de acordo com a demanda de trabalho, com itinerário específico a ser realizado pelas empresas, “mantendo-se a tarifa normal, ficando restrito o uso por estudantes e pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos”.

O terminal rodoviário urbano, rodoviária intermunicipal, também voltarão a funcionar, ficando permitido o acesso apenas da pessoa que irá embarcar. O uso de máscara, tanto no embarque quanto no desembarque, é obrigatório.


decreto_Marilia


REABERTURA DO COMÉRCIO

Já a Lei Municipal 8543, sancionada pelo prefeito nesta sexta-feira, 29, estabelece condições para retomada do funcionamento dos estabelecimentos comerciais no município.

A Lei, no entanto, se choca com o Plano São Paulo, do governo do estado, que colocou Marília na fase dois nas regras de relaxamento da quarentena.

Da forma como está disposta a Lei, a cidade reabrirá o comércio como se já estivesse na última etapa definida pelo governo de São Paulo, a fase quatro, mais flexível.

Pela Lei, a partir de segunda-feira voltarão a funcionar atividades imobiliárias, concessionárias, escritórios, bares, restaurantes e similares, comércio em geral, shoppings centers, salão de beleza e academia.


dec2_mariliadec21_marilia


Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta