Santa Catarina vai flexibilizar decreto de restrição ao transporte

Publicado em: 27 de maio de 2020

Prefeituras vão decidir individualmente sobre operação de ônibus municipais. Foto: Divulgação.

A partir de 1º de junho quarentena será de forma regional, permitindo cada município decidir sobre proibir ou não o transporte coletivo e outros setores

WILLIAN MOREIRA

O Governador do Estado de Santa Catarina, Carlos Moisés, após reunião com prefeitos da cidade de Joinville e região, anunciou uma flexibilização das medidas restritivas impostas como combate ao coronavírus.

A partir do dia 1º de junho a quarentena passará a ser de forma regionalizada no estado catarinense, com cada região e prefeituras, decidindo com base em dados da saúde e uma ferramenta nova colocada em prática com mais fatores de combate a pandemia, manter as medidas atuais ou adotar ações menos rigorosas nos setores de transporte, atividades escolares e eventos que podem gerar aglomerações.

No caso do transporte, cada cidade após diretrizes do governo do estado, decidir se vai ser retomado ou não o transporte coletivo local.

“A partir de segunda-feira com essa ferramenta epidemiológica, cada região do estado poderá ter uma gestão inclusive dissociada com o todo estadual, ou seja, não é mais um decreto dizendo está proibido o transporte coletivo. Cada região com a ferramenta poderá avaliar e dizer se naquela situação os números do aumento de casos e de óbitos se é seguro voltar o transporte coletivo ou até outras atividades que ainda estão suspensas”, explicou Carlos Moisés

Cidades como Joinvile e Criciúma, apesar de não citarem datas, já sinalizam uma retomada do serviço, com outros municípios grandes colocando em discussão o tema nos próximos dias.

O comitê de saúde de Santa Catarina após estudos, estima que os próximos dias o coronavírus irá avançar no estado e por isto o Governo vai realizar ações pontuais em parcerias com as prefeituras para minimizar os casos da Covid-19.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

Deixe uma resposta