EMTU e Bus+ colocam mais 16 ônibus nas linhas da Região Metropolitana de Campinas (SP)

Publicado em: 19 de maio de 2020

Demanda está em torno de 30% do habitual antes da crise

Por causa da crise do novo coronavírus, 183 dos 352 ônibus estão em operação

ADAMO BAZANI

As linhas 651-Sumaré (Real Parque) x Campinas (Terminal Magalhães Teixeira) e 659-Sumaré (Residencial Ipiranga) x Campinas (Terminal Magalhães Teixeira), gerenciadas pela EMTU e operadas pelo Consórcio BUS+, recebem a partir do horário de pico da tarde desta terça-feira, 19 de maio de 2020, mais dois ônibus em operação.

A determinação foi da gestora após constatação de aumento da demanda.

De acordo com o diretor de comunicação das empresas de ônibus, Paulo Barddal, desde o início das medidas restritivas necessárias para conter o avanço da pandemia da Covid-19, mais 16 veículos tiveram de reforçar o atendimento.

“Desde o início da pandemia, o Consórcio BUS+ e a EMTU fazem acompanhamento diário da demanda e, nos últimos dias, foram disponibilizados mais 16 veículos nos eixos Campinas/Sumaré e Campinas/Hortolândia”, disse por meio de nota.

De acordo com as concessionárias, atualmente, a demanda dos transportes metropolitanos na região de Campinas, está entre 30% e 32% do habitual de antes da pandemia, mas a frota é de até 52%. As empresas reclamam do custo maior em relação à receita, mas dizem que fazem ajustes na frota quando necessário.

“Os ajustes diários são necessários pois o custo de operação em relação à atual demanda está bastante elevado. Toda vez que é constatada alguma necessidade extra, as providências são tomadas para melhor atender os clientes”, prossegue Barddal na nota.

O Consórcio BUS+ informou ainda que mantém ônibus parados no Terminal Magalhães Teixeira, em Campinas, para serem liberados nas linhas que precisarem de reforço nos horários de pico.

Segundo as empresas, a “frota operacional na Região Metropolitana de Campinas (RMC) era de 352 ônibus antes do início da pandemia. Com a crise, 183 veículos estão em operação” atualmente.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta