Quarentena em São Paulo está em iminência de ser estendida

Publicado em: 18 de maio de 2020

Governador João Dória, em entrevista à Rádio Bandeirantes, abordou temas como lockdown, quarentena e questões do setor econômico no Estado

WILLIAN MOREIRA

Em entrevista à Rádio Bandeirantes na manhã desta segunda-feira, 18 de maio de 2020, o Governador do Estado de São Paulo, João Dória, disse que o lockdown não será aplicado a curto prazo, mas que acha difícil o fim da quarentena em São Paulo no dia 31 de maio, data final para a quarentena vigente.

Apesar de não descartar o lockdown, Doria explicou que ele é levado em conta com uma série de fatores analisados pela ciência e o comitê de saúde, estes responsáveis por apontar medidas que devem ser adotadas no combate ao coronavírus.

Em relação ao lockdown, isto faz parte evidentemente do comitê de saúde, mas ele não é iminente. Embora ele não esteja descartado, não teremos lockdown amanhã ou depois de amanhã. Mas está no protocolo.

Se a ciência determinar e a análise indicar a necessidade de um lockdown, ele será avaliado para ser adotado localmente, não seria adotado em todo o estado.

Como essa quarentena se encerra no dia 31 de maio, uma semana antes vamos oferecer as informações devidas para que as pessoas possam se preparar. Mas sendo sincero, será muito difícil não termos uma nova quarentena. Resta saber em que condições será essa nova quarentena, como seria aplicada.”

O uso de um lockdown ou fechamento de quase tudo em uma cidade ou região teria com objetivo manter as pessoas em casa. Seu objetivo é diminuir os contatos sociais ao máximo possível, evitando o colapso da saúde, que ultrapassaria sua capacidade de atendimento e leitos, não dando conta da demanda que seria gerada pelo crescimento do contágio.

Tudo é feito para evitar esse colapso [da saúde]. Pedimos para as pessoas ficarem em casa para não correr o risco de um infectado pelo coronavírus, chegar ao hospital e não ter um leito e não encontrar os respiradores.

Quanto à abertura econômica, um dos protocolos avaliados pelo comitê responsável é uma flexibilização da quarentena em regiões ou cidades a partir de fatores que permitam determinar ou não a revisão das medidas de restrições sociais e econômicas vigentes. Doria citou que dentre esses fatores estariam os índices de óbitos e casos registrados em uma localidade, que por sua vez cruzam com dados de ocupação de leitos hospitalares.

Atualmente no Estado, segundo o Governo, 74% das atividades econômicas estão funcionando, e outras 26% estão paradas, dentre elas o comércio.

Cidades e áreas que possam estar protegidas do coronavírus pelas informações da ciência, ou seja, índice de infectabilidade, índice de óbitos, cobertura da doença, disponibilidade de leitos básicos e de UTI. Se houver condições [favoráveis] dentro destes critérios, o comitê da saúde junto com o comitê econômico, avaliam a possibilidade sim [de flexibilizar medidas].

Além disto, o Estado espera que as políticas do Governo Federal de socorro ao setor econômico, como a ajuda prometida às companhias aéreas nacionais e o auxílio emergencial de R$ 600 para a população, sejam mantidos. Apesar que o Brasil deverá passar por uma recessão no biênio de 2020 e 2021, completou o governador.

O governador espera que o Governo Federal abra credito para micro, pequena e média empresa e continue com o auxilio de 600 reais para ajudar a população afetada pela diminuição das atividades econômicas”, afirmou.

Doria completou a entrevista dizendo que as decisões políticas do Governo Federal prejudicam o combate ao vírus, principalmente na agenda da saúde que foi afetada pela troca de dois Ministros em 30 dias e a consequente instabilidade criada.

O Governador ressaltou que a ausência de Ministro da Saúde no meio da pandemia é um indicativo ruim das tomadas de decisões na gestão de Jair Bolsonaro.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Luciana Mendes de Souza Silva disse:

    Se é para proteger deviam fazer logo o Lockdown, já estamos ferrados sem trabalho

  2. Jailton Alves gabriel disse:

    Prorrogar quarentena é um tremendo assassinato de pessoas que serão mortas pela fome , esse assassino junto com o burro do Bruno Covas colocaram todo mundo junto semana passada nas conduções e agora quer ampliar quarentena .

  3. Edson Liberatti disse:

    Grandessíssimo fdp.
    Os pequenos comerciantes estão quebrando e os funcionários ficando sem empregos.
    MONSTRO asqueroso.

  4. Rosi disse:

    Vc senhor Doria .vai acabar com o nosso país 😡

  5. Reinaldo CRISTIANINI disse:

    Pois é , alguns ignorantes, egoístas bolsonaristas não consegue ver o que acontece em São Paulo tomara que seus familiares não sejam contaminados e fiquem na fila das UTis …morrendo.

  6. Ricardo Moura disse:

    Concordo com voçe Reinaldo ,o mundo inteiro parou ,só Aki ,que não pode,porque será ein.

  7. Tereza Rodrigues disse:

    Não quer deixar os doentes escolherem se querem usar a hidroxicloroquina enquanto os que podem pagar estão utilizando e muitos médicos estão se curando com o remédio. Tudo isso só para demonstrar que tem o poder? Quantos vão precisar morrer do vírus, de fome ou auto-suicídio como disse Dilma para ele se satisfazer?

  8. CHARLES TADEU BRAGHEROLI disse:

    Agora eu até concordo, ele já prorrogou quatro vezes já a quarentena.Por que não aplicá esse lockdown e já resolve tudo.
    Tentando de várias formas não vai resolver nada.O único jeito é o lockdown.
    Já estou trancado a quase 2 meses em casa sem poder sair para passear, ir no shopping e viajar a quanto esse povo desrespeitando a quarentena. ISSO É DESRESPEITO TOTAL COM QUEM ESTA RESPEITANDO A QUARENTENA.

  9. Fernanda disse:

    Gente ignorante… Como se o comércio abrir vai restaurar a economia, não conseguem ver o colapso na saúde, e além de colocar vidas em jogo.

  10. ALEXANDRA disse:

    Se não roubassem tanto e sempre tivessem investido na área da saúde pública não estaria esse desespero de colapso na área da saúde…

  11. DIEGO disse:

    Concordo contigo Charles. Por causa de poucos, todos tem que ser “punidos”.

  12. renan carlos de liveira carlos disse:

    Enquanto o virus circulava no mes do carnaval. Ninguem se preocupou em fazer isolamento .so foi terminar o carnaval que trancaram todo mundo em casa. E os presos detentos foram soltos!!!

  13. SUZI PAES disse:

    sim ….ê uma comédia…🤣

  14. marcos roberto disse:

    A saude sempre esteve em colapso, cansei de ver gente jogada nos corredores

  15. Jaqueline disse:

    Esse pessoal que fica só preocupado com os comerciantes quero ver qdo eles precisarem de atendimento hospitalar e não conseguir…
    .pessoal egoístas!

  16. Jenerbatistta paschoal disse:

    Cada comentários de esquerdistas sem noção.
    Eu não tenho partido..! Mais vcs que torce para ampliar a quarentena deve ter dinheiro morar em um bom bairro ser mela saco do governador de merda e prefeito de merdas do estado.
    Porque a saúde no Brasil sempre foi colapso, só que essa quarentena tão roubando um bom dinheiro então amplia msm pra um ano . Quero vê a situação como vai ficar ,porque deram Um auxílio para o povo que de emergência não tem nada . Abre o olho povao “o demônio da com uma mão e tira com as duas “

  17. CARLOS AUGUSTO FREITAS PROTA disse:

    Uma epidemia deve ser tratada com critério e regras rígidas. Isso vale para o governo que tem que planejar de forma efetiva as etapas necessárias para sua contenção incluindo o Lockdown se necessário e vale também para a população que tem que respeitar as regras de forma plena sob pena de morrer em casa sem poder ter acesso a um atendimento de emergência no caso de colapso na saúde . Portanto não adianta falar em abertura de economia sem a devida contenção da epidemia porque ao invés de termos um exército de falidos teremos um exército de falecidos. O momento e unicamente de salvar vidas. #fique em casa

  18. Anderson disse:

    Eu sabia.que tudo isso acontecer.

  19. Júlio disse:

    Já que as pessoas e o presidente insistem tanto em abrir tudo e deixar todo mundo fazer o que bem entende, libere tudo e depois que se virem na porta do hospital lotado sem conseguir respirar.

Deixe uma resposta