Prefeitos do ABC esperam decisão do Governo do Estado para lockdown na região

Publicado em: 18 de maio de 2020
micrão ônibus

Ônibus em Santo André. Isolamento na cidade tem ficado constantemente abaixo de 50%

Índice de morte em relação aos habitantes no ABC é três vez maior que a média mundial

ADAMO BAZANI

Os prefeitos do ABC Paulista, uma das regiões mais afetadas pela Covid-19 no Estado de São Paulo, esperam do Governo do Estado de São Paulo uma decisão sobre eventual lockdown (fechamento total).

“Cada prefeito tem uma opinião sobre esta decisão que é extrema, mas não tem como o ABC tomar essa medida isoladamente porque somos muito ligados à capital e até outras regiões. Se isso ocorrer, será necessária a atuação da Polícia Militar e do suporte do Governo do Estado para fiscalização” – disse o presidente da entidade regional e prefeito de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão, que alertou para a gravidade dos números e pelo baixo índice de isolamento que não passa de 50%

Nesta segunda-feira, 18 de maio de 2020, os chefes dos executivos dos sete paços municipais se reuniram de forma virtual pelo Consórcio Intermunicipal ABC, como tem ocorrido em todas as segundas-feiras.

“Eu vejo que [o lockdown] é uma solução que mais cedo ou mais tarde deve ser tomada, foi o que se mostrou com maior êxito no mundo, mas digo isso como prefeito de Rio Grande da Serra, como opinião, não em nome do Consórcio”.

Maranhão disse que além da fiscalização, um fechamento total vai demandar outras ações, como a readequação do sistema de transportes.

Atualmente, segundo o prefeito, a demanda diária dos ônibus municipais na região é de 69 mil passageiros por dia.

Os números de casos e, principalmente, a velocidade do crescimento espantam os prefeitos do ABC.

“Essa semana foi muito preocupante e mostra que estamos em um crescimento gritante. O número de mortes subiu 49%, passando de 73 para 109 na região. O total de casos subiu 17% com 758 registros. São mais oito mil suspeitos e nossas UTIs estão com 80% de ocupação” – disse Maranhão.

A região reúne as cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

O secretário geral do Consórcio Intermunicipal do ABC, Edgar Brandão, alertou que o índice de mortes pela Covd-19 em relação aos habitantes na região é três vez maior que a média mundial, o que também preocupa.

“O índice mundial de mortes é de 0,004 sobre o total da população. No Brasil, é de 0,007, no ABC é de 0,13, estamos atrás dos Estados Unidos que é de 0,027. Ou seja, no ABC, são 130 óbitos por milhão de habitantes”. – disse Brandão.

Maranhão disse também que não há muito o que fazer mais no ABC de forma isolada para estimular que as pessoas fiquem em casa.

“O que tinha de ser feito, fizemos. Agora a decisão deve ser estadual.”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Renan disse:

    Infelizmente o pior da doença são nossos prefeitos, estão perdidos mostrando fraqueza para a população nessas horas precisa de líderes e isso já mostraram q não são, o medo é mostrar o colapso da saúde que vivemos a anos, e prefeito se fizer teste na população o senhor verá como o índice né morte cairá muitooo…ate uma criança de 6 anos sabe disso ..mais é melhor colocar pânico na população né!…..quero ver fazer o lockdown em uma região pobre que já está de quarentena a quase 60 dias ….parem de ser fracos !

  2. Luana disse:

    Desculpa a quem fez esse comentário tão ridícula, eles não são fracos, trabalho na área da saúde pública e sei como está o estado de cada pessoa, infelizmente essa doença veio pra mata. Então fiquem em casa.

  3. Ana disse:

    Não, não fico em casa, e sabe por que ?!? Por que preciso pagar aluguel, colocar comida em casa. Quando alguns de vocês, da turminha do #fiqueemcasa se mobilizarem para pagar as contas daqueles que precisam trabalhar, aí a conversa muda.

Deixe uma resposta