EMOÇÃO: Após uma década, Caio Gabriela cruza o ABC Paulista para transportar memórias de infância

Jornalista Jessica Marques 'reencontra' Caio Gabriela. Foto: Diário do Transporte.

Uma história que mostra que coincidências surpreendentes também acontecem no mundo dos transportes

JESSICA MARQUES

Já imaginou reencontrar o ônibus que te levou para a escola em sua infância? Não estou falando do mesmo modelo, mas exatamente do mesmo veículo! Aquele que presenciou suas lágrimas, sorrisos, ansiedade e sua sonequinha na janela. Pois isso aconteceu comigo.

Durante a maior parte de minha infância e toda minha adolescência, estudei na vila ferroviária de Paranapiacaba, em Santo André, no ABC Paulista. Porém, morava em um bairro chamado Jardim Joaquim Eugênio de Lima, em uma área de Proteção de Mananciais, a uma distância de oito quilômetros em estrada de terra.

Esse percurso foi feito por diversos veículos ao longo dos anos. Contudo, um me marcou mais. Em meados de 2008, no auge de minha adolescência, eu não sabia distinguir carrocerias e chassis de ônibus, só via no horizonte o veículo azul e branco chegando para me levar para estudar e rever meus amigos diariamente.

FRAGMENTOS

Em minha memória ficaram três partes do ônibus: o emblema inconfundível da Mercedes-Benz, os bancos verdes um pouco escorregadios e faróis amarelos. Sem esquecer do cheiro forte de diesel e do “barulhão” do motor.

Os anos se passaram e eu nunca descobri com certeza que modelo me levou para a escola. Em 2018, já adulta e morando na região do Parque Capuava, em Santo André, há quase 40 quilômetros de Paranapiacaba, avistei um ônibus escolar bem parecido com o que me transportou.

Na ocasião, tive certeza de que um Caio Gabriela me levou para a escola. Talvez, pelo cheiro e barulho, poderia ser um LPO-1113 Mercedes-Benz, igual ao que estava estacionado perto de minha casa.

Logo fiz amizade com o dono do ônibus, o serralheiro Rogério Soria. Dei muitas voltas dentro do veículo, pensando como algumas coisas eram parecidas com o Gabriela que me levou para a escola.

A SURPRESA

A paixão aparentemente “à primeira vista” pelo ônibus rendeu uma reportagem contando a trajetória do veículo: Quantas memórias cabem em um Caio Gabriela?

O que eu não percebi é que de fato eu não tinha a real noção de quantas memórias cabiam naquele ônibus. Muitas delas eram minhas!

Dois anos depois, em pleno isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19, encontrei um vídeo que fiz no interior do ônibus. A gravação, de péssima qualidade por ter sido feita há mais de dez anos, revelava alguns detalhes: os bancos, um alto falante e alguns parafusos no teto.

Mandei para o meu amigo Rogério estas imagens, com a certeza de que ele me ajudaria a reconhecer aquele ônibus. No mesmo instante, ele me disse a frase que fez meus olhos marejarem: “era a minha Gabriela! Olha os bancos”.

Logo fiz a comparação da foto mais recente do ônibus com os recortes do vídeo antigo:

IMG_20180901_154245794_HDR2

IMG_20180901_154245794_HDR

Eu não acreditei, achei que poderia ser uma coincidência a mesma cor dos assentos do ônibus. Mas os bancos deste Caio Gabriela especificamente são padrão Marcopolo. Seria um pouco coincidente demais este fato.

Ainda assim, comparei a posição dos parafusos, do alto falante no teto e a posição das janelas. Tudo era absolutamente idêntico.

Ainda incrédula, questionei: como pode ser o mesmo se não tem o emblema da Mercedes-Benz e os faróis amarelos que estão nítidos em minha memória?

A resposta para isso veio em formato de imagem:

3cad22700e247cde2b4fa1d77db0f0bf

Neste momento eu comecei a chorar. Era o mesmo ônibus! Como pude não perceber? Os únicos detalhes dos quais eu me lembrava com mais afinco tinham sido apagados pelo tempo e passei dois anos sem saber desta enorme coincidência.

O ônibus que me levava para a escola em Paranapiacaba estava o tempo todo na rua que fica pertinho de onde moro atualmente, no Parque Capuava, em Santo André.

Neste momento, a paixão “à primeira vista” pelo Caio Gabriela parado na rua fez todo o sentido. Minha memória poderia ter falhado, mas o coração jamais se engana. Quando me dei conta, uma enxurrada de lembranças apareceram.

HISTÓRIA

Como jornalista que sou, não me contentei com as coincidências e lembranças emocionantes. Fui atrás de comprovação histórica de que tratava-se do mesmo veículo.

Descobri que a empresa que me levou para a escola durante minha infância e adolescência chamava-se Planalto Transportes e Turismo, com sede em Ferraz de Vasconcelos, na Região Metropolitana de São Paulo.

Esta parte foi fácil coincidir: segundo meu amigo, o documento e a placa da “Gabriela dele” também são de Ferraz. Mas a cidade é grande, quis completar as peças do quebra-cabeças e consegui.

A foto abaixo mostra o ônibus ao lado de dois outros veículos, em um terreno da Planalto Transportes e Turismo. Agora tudo começou a se encaixar historicamente também!

3ecb0741d88840f07e0adea578ef2a9b

Além disso, observei que os veículos da Planalto Transportes e Turismo que estão no site Ônibus Brasil, que compila fotos deste meio de transporte, foram “flagrados” transportando trabalhadores em obras do Rodoanel.

Segundo meu amigo Rogério, o Caio Gabriela dele foi responsável pelo transporte de funcionários destas obras de 2013 até 2015, sem perder a pintura característica de escolar.

Agora, tenho provas em documentos, imagens, memórias e no “currículo” do ônibus que mostram que é exatamente o mesmo veículo.

OUTRAS HISTÓRIAS

Além de ter passado pelo túnel do tempo para me encontrar, o Caio Gabriela, que hoje pertence ao Rogério, coleciona muito mais histórias do que poderíamos imaginar.

Recentemente, o veículo foi astro de cinema. Um dos produtores do filme Nada a Perder, que conta a história do bispo Edir Macedo, estava procurando um ônibus que caracterizava ser do fim da década de 1970.

Adivinha qual veículo foi escolhido? Exatamente! Após a participação no filme, que foi gravado no Rio de Janeiro, o Caio Gabriela recebeu nova pintura e hoje permanece com as características que foram exibidas no longa-metragem.

Foi assim que o veículo passou da pintura com a palavra ESCOLAR para CTC-RJ 36217. Foi a marca deixada pela “fama”.

O ônibus também apareceu em uma propaganda da NET, bem no fim do vídeo. Posteriormente, foi indicado para a filmagem em um comercial da Vivo, com Gabriel Jesus.

Confira o comercial da NET com participação do Caio Gabriela:

Veja o vídeo gravado para o período da Copa do Mundo:

GABRIELA EM PERSEGUIÇÃO POLICIAL DE SUZANO

As histórias não poderiam parar por aí. Logo que saiu de fábrica, o Caio Gabriela operou na Viação Eroles. Após rodar com o prefixo 383 durante quase 20 anos, a empresa vendeu o ônibus para a Peles Polo Norte (fabricante de roupas), em 1998. Ambas as empresas ficavam localizadas em Mogi das Cruzes.

Foi neste período, em 1999, que um jovem de 18 anos furtou um ônibus da Peles Polo Norte e colidiu com 24 carros. Na ocasião, quatro pessoas ficaram feridas, após uma perseguição policial em Suzano.

Não é difícil imaginar quem foi o protagonista desta “aventura” policial. Segundo Rogério, novamente, o veículo fez história e ficou na memória de muita gente.

Confira:

Depois de tanta emoção, reviravolta, informação, lembranças e registros, será que alguém é capaz de dizer quantas memórias cabem em um Caio Gabriela?

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rogério Soria disse:

    Fantástico amiga Jessica Marques..
    Compartilho de sua alegria sabendo q suas lembranças de um período de sua vida vem a tona cada vez q vc praticamente sai a rua..
    Fico imensamente grato a Deus por ter te conhecido e também por ,em algum momento ter “colanorado” em participar desses registos q a vida nos proporciona É geralmente não damos a devida atenção.. .. basta olharmos para dentro de nós mesmos ..
    Grande abraço e sucesso…
    P.S…. desculpe fazer vc chorar aquela noite :)

    1. jessicamarques disse:

      Muito obrigada pela colaboração e pelas emoções! Histórias como as deste ônibus precisam ser preservadas sempre! Abraços!

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Parabéns, excelente matéria para um domingão.

    Muito legal esta matéria, hoje que eu descobri que esse Gabriela não era do RJ, fiquei muito contente.

    Sensacional todas as fotos e o buzão ter a memória de toda a sua trajetória; algo incrível.

    E uma das memórias que cabe no Gabriela é que esse é da legítima CAIO.

    SAÚDE A TODOS!

    Att,

    Paulo Gil
    “Buzão e Emoção é a Paixão”

  3. Linda História ….Quem de nós não tem uma bela história, recordação,de tantos deles,,,eu mesmo tenho, e até hoje me encanto com o melhor de todos, na minha humilde Opinião.. o MBB 0362, desde sua criação, no começo dos anos 70, na verdade..A Viação Esplanada, ainda consigo contato com os Bataglias primeiros donos do famosos Zebrinha,,,que me transportou pra tanto lugar….,,

  4. robo_trader@bol.com.br disse:

    Esses ônibus são bem melhores que os de hoje. Queria ter andado tbm no meu ônibus de infância Thamco Aguia 😦

  5. Anderson Alves disse:

    … que história, aliás “histórias” fantásticas… tando a do próprio ônibus, quanto a da ligação da Jéssica, com o mesmo.
    Coincidentemente o “Gabriela”, é ate hoje o modelo de carroceria de ônibus da CAIO, que eu mais gosto.
    Muito bacana!

Deixe uma resposta para Rogério Soria Cancelar resposta