Bruno Covas diz que eventual “lockdown” não pode ser apenas realizado pela capital paulista

Publicado em: 17 de maio de 2020

De acordo com o prefeito, “fechamento” deve ser discutido com cidades vizinhas e que município “não tem poder de polícia”

WILLIAN MOREIRA/ADAMO BAZANI

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, em coletiva de imprensa neste domingo, 17 de maio de 2020, na qual anunciou a retomada do rodízio habitual de veículos, respondeu questionamentos sobre um eventual “lockdown” (confinamento total).

Covas confirmou o que o governador João Doria já havia revelado na última sexta-feira, 15, de que há um plano pronto, mas disse que não pode tomar a atitude de forma isolada.

“O governador mencionou que tem estudos sobre a mesa, isso está sendo debatido no comitê de saúde criado por ele. Estamos debatendo com o governo do estado esse tema. O município não tem condições de fazer isso sozinho porque não tem poder de polícia e porque a gente vive em uma região metropolitana, com mais de 1700 ruas, que começam em São Paulo e terminam em outras cidades”, explicou Bruno Covas.

A possiblidade de lockdown regionalizado também já foi citada pelo Governador João Dória que ressaltou, entretanto, que ainda não considera a aplicação imediata da medida.

Na coletiva, o prefeito disse que o sistema de Saúde está perto de um colapso, com 90% dos leitos de UTI ocupados. Segundo Covas, apesar do fato de que em cada dez internados, nove recebem alta, a demanda de pacientes vem crescendo e que mesmo com novos leitos sendo entregues, há a necessidade urgente de desacelerar o ritmo de contágio.

É preciso parar por São Paulo. Não há outro caminho. Antes de pensarmos em abrir, é preciso parar. A nossa competência é limitada. A região metropolitana é interligada, mas eu não controlo trens e metrô”, declarou.

O prefeito fez um pedido formal à Câmara de vereadores, para que já nesta segunda, 18, seja votada a antecipação dos feriados de Corpos Christi e do Dia da Consciência Negra, para serem transferidos ainda nesta semana.

No caso da antecipação ser aprovada, nas datas em que seriam normalmente comemorados, os feriados se tornariam apenas neste ano, pontos facultativos.

Covas pediu ainda para que a gestão Doria antecipe também o feriado de “9 de Julho”, que é um feriado estadual.

Na edição extra do Diário Oficial do Município deste domingo, 17 de maio, o Prefeito Bruno Covas explicou em seu pedido a Câmara para antencipar feriados municipais, que a cidade por vir a precisar do lockdown, mas não tem controle sobre o transporte nos trens do Metrô e CPTM, cabendo ao Estado tomar a decisão sobre este tema.

RODÍZIO

O rodízio como foi empregado na semana passada foi encerrado e, nesta segunda-feira, 18 de maio, retorna como era antes da pandemia, com a proibição da circulação de veículos com dois finais de placas por dia, em horários de pico da manhã e da tarde (das 7h às 10h e das 17h às 20h), com a seguinte restrição:

Segunda-Feira: carros com placas finais 1 e 2;
Terça-Feira: carros com placas finais 3 e 4;
Quarta-Feira: carros com placas finais 5 e 6;
Quinta-Feira: carros com placas finais 7 e 8;
Sexta-Feira: carros com placas finais 9 e 0.

ÔNIBUS

Mesmo com o fim do rodízio estendido anunciado pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas, a SPTrans informou ao Diário do Transporte que manterá o reforço na frota de ônibus da capital paulista.

Desta forma, permanecem os mil ônibus em circulação colocados na segunda-feira, 11 de maio de 2020, junto a outros 600 veículos que ficam em bolsões distribuídos em áreas estratégicas da cidade.

Com o novo reforço, a frota nas ruas chegoua 65,5% de um dia útil, enquanto o número de passageiros registrado em 07 de maio foi de 31%, de acordo com a SPTrans.

Os ônibus adicionais foram distribuídos em 469 linhas de todas as regiões da cidade, além de terminais e estações de trem e metrô, que foram definidos após uma análise de oferta e demanda realizada pelos técnicos de campo da SPTrans, verificando índices de ocupação de linhas”, informou a SPTrans, em nota.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte,
Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. RodrigoZika disse:

    Se mal tem controle nas periferias que a maioria não esta ligando pro vírus, imagina a grande SP e interior, piada.

Deixe uma resposta