Campinas adia implantação do rodízio e remete medida para análise e aprovação da Câmara de Vereadores

Publicado em: 16 de maio de 2020

Prefeito Jonas Donizette e secretário de Transportes Carlos Barreiro explicam funcionamento do rodízio. Crédito: Fernanda Sunega

Rodízio emergencial iria ser implantado a partir desta segunda, 18 de maio. Regras e detalhamento do projeto de lei do rodízio foram definidas na tarde de quinta-feira, 14

ALEXANDRE PELEGI

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette, em live realizada nesta sexta-feira, 15 de maio de 2020, comunicou que o decreto de implantação do rodízio de veículos será transformado em projeto de lei e enviado para discussão na Câmara de Vereadores.

Desta forma, a medida que seria implantada na cidade a partir de segunda, 18 de maio, está suspensa até decisão do Poder Legislativo. Relembre: Rodízio de veículos em Campinas (SP) começa na segunda-feira (18)

Tenho certeza que a Casa de Leis irá realizar um amplo debate com a sociedade e compreender a importância da implantação desta medida”, afirmou Jonas Donizette.

Como pontuou comunicado da prefeitura, o rodízio é uma medida inédita na história do município, além de uma importante ação da Administração municipal para aumentar o isolamento social e restringir a circulação de pessoas pelas vias, por conta do avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Outro motivo, seria diminuir a acidentalidade, poupando a ocupação de leitos hospitalares.

São duas grandes benesses, uma importante medida neste momento de contenção do avanço da pandemia”, disse o secretário de Transportes e presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), Carlos José Barreiro.

De acordo com a proposta da prefeitura, as regras e detalhamento do projeto de lei do rodízio, definidas na tarde de quinta-feira, 14, projeto de lei, determinam que o rodízio será válido para carros e motos com placas da cidade e, também, de outras localidades.

O rodízio ocorrerá de segunda a sexta-feira, das 7h até as 19h, sem interrupção, em toda a área urbana do município; e não afeta a circulação nas rodovias.

A adoção será por tempo indeterminado e a restrição de circulação será efetuada pelo final da placa do veículo, da mesma forma que funcionava o rodízio em São Paulo antes da pandemia de Covid-19.

Proibição de circulação:

– Segundas-feiras: placas final 1 e 2.

– Terças-feiras: placas final 3 e 4.

– Quartas-feiras: placas final 5 e 6.

– Quintas-feiras: placas final 7 e 8.

– Sextas-feiras: placas final 9 e 0.

Com a medida, pretendemos diminuir, em cerca de 20%, a circulação diária de veículos nas vias urbanas do nosso município. Campinas tem quase 1 milhão de veículos registrados; e recebe em torno de 200 a 250 mil veículos de outras localidades, diariamente. Estamos prevendo uma redução diária de circulação na ordem de 200 mil a 250 mil veículos”, avalia o secretário Barreiro.

FUNCIONAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO

A prefeitura informa que a frota diária circulante do sistema de transporte público coletivo municipal será ampliada, para atender as necessidades de deslocamentos de pessoas que trabalham em áreas essenciais.

Neste período de quarentena, os ônibus, terminais urbanos e pontos de embarque só podem ser utilizados pelos usuários do transporte coletivo que necessitem realizar algum deslocamento essencial. Todos deverão a máscara de proteção em todo o trajeto. “É essencial que a pessoa já saia de casa com a máscara”, diz comunicado da Emdec.

A programação de horários sofrerá ajustes pontuais, dependendo da análise individual de cada região, linha e horário.

MAIS DETALHES

O rodízio não é válido para sábados, domingos, feriados e pontes de feriados.

Estão liberados para circulação todos os tipos de ônibus (sistema de transporte público coletivo municipal, intermunicipal, rodoviário, fretamento, etc.); caminhões; táxi; veículos de transporte por aplicativos devidamente cadastrados na Emdec; e veículos de transporte escolar. Veículos oficiais e viaturas, como de polícia, salvamento, socorro, fiscalização de trânsito e prestadores de serviço de utilidade pública já estão contemplados pela livre circulação, desde que devidamente sinalizados.

Também ficam excluídos da restrição de circulação as pessoas com deficiência e com doenças crônicas, que necessitem de acompanhamento continuado, como tratamento de quimioterapia, radioterapia ou hemodiálise. E as pessoas que as transportem.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Claudir disse:

    Sou totalmente a favor do rodízio de veiculos em Campinas, alias, a sua implatação deveria ter ocorrido a anos atrás.

  2. Luiz Carlos disse:

    Deveria ser emitido um selo para carros que transporte pessoas com serviços essências.Os demais ficariam automaticamente proibidos de circular independente dos números finais da placa

Deixe uma resposta