Vereadores de Ribeirão Preto rejeitam projeto da prefeitura que autorizava recursos às empresas de ônibus

Publicado em: 14 de maio de 2020

Sessão que rejeitou projeto do Executivo foi realizada por webconferência. Foto: Câmara de Ribeirão Preto

Em regime de urgência, projeto de antecipação de recebíveis ao Consórcio PróUrbano foi negado por unanimidade

ALEXANDRE PELEGI

Em função da pandemia de COVID-19, a Câmara de Vereadores, em sessão ordinária remota através de videoconferência nesta quinta-feira, 14 de maio de 2020, rejeitou por unanimidade projeto de lei de autoria do Executivo Municipal (PLE) que autorizava auxílio emergencial às empresas de ônibus do município.

Em regime de urgência, o projeto de lei autorizava a Prefeitura de Ribeirão Preto a antecipar os recebíveis do subsídio aos passageiros estudantes com a isenção tarifária paga ao Próurbano – Consórcio Ribeirão Preto de Transportes.

Após parecer contrário da Comissão de Finanças, o PLE foi negado por unanimidade.

A prefeitura defendia o projeto como essencial para pagar os salários atrasados de motoristas.

Como mostrou o Diário do Transporte, no final da madrugada desta terça-feira, 12 de maio, encerou uma paralisação de motoristas e cobradores do transporte coletivo da cidade. Eles haviam interrompido as atividades em razão de atrasos nos pagamentos, decorrentes da queda na arrecadação. Relembre: Greve de ônibus em Ribeirão Preto (SP) é encerrada

Os motoristas só retomaram suas atividades após as empresas Rápido D’Oeste e Transcorp prometerem quitar os salários.

O Projeto de Lei da prefeitura foi protocolado no dia 7 de maio, e autoriza a antecipação de recebíveis referentes ao pagamento da passagem gratuita de estudantes como forma de mitigar a crise do setor.

O repasse, no valor calculado de R$ 4,5 milhões, seria uma antecipação do que seria subsidiado pela Prefeitura no restante do ano.

Medidas especiais e emergenciais precisam ser adotadas para assegurar a continuidade do transporte público urbano em Ribeirão Preto, de forma que, mesmo em situação de queda drástica da receita, as empresas operadoras possam sobreviver frente às obrigações financeiras para manter os serviços em funcionamento“, informou o Executivo na justificativa do projeto.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite

    PARABÉNS!

    Até que enfim políticos com cérebro.

    Se ajudar empresa de buzão tem de ajudar todo e qualquer empresário, micro, pequeno, médio e grande.

    Pelo menos Ribeirão Preto não sofre da TARA de dar subsídios a empresa de buzão.

    Ou as empresas de buzão de Ribeirão não são simpáticas à política.

    Mistééééééééério.

    SAÚDE A TODOS!

    Att,

    Paulo Gil

  2. Nílson Moraes disse:

    espero que as quatro empresas permicionarias no transporte coletivo em Ribeirão Preto, cumpram tds os direitos dos seus respectivos funcionários

  3. Luis Alberto disse:

    Acho que pela 1º vez vejo os “nobres vereadores”, serem sensatos, bares, restaurantes, academias etc, fechando as portas e o excelentíssimo prefeito
    querendo um socorro milionário para uma só empresa…

Deixe uma resposta