Funcionários da Tabuazeiro fazem protesto em porta de garagem

Publicado em: 7 de maio de 2020

Funcionários protestam contra atraso nos salários. Foto: Sindirodoviários

Ônibus de outras empresas voltaram a operar

ADAMO BAZANI

Funcionários da Viação Tabuazeiro, do sistema municipal de transportes de Vitória (ES) realizaram na manhã desta quinta-feira, 07 de maio de 2020, um protesto contra atrasos no pagamento de salários e benefícios, como vale-alimentação.

Os trabalhadores estão em greve desde 23 de abril. No dia 27, os funcionários das demais empresas, as viações Unimar e Grande Vitória, também cruzaram os braços.

Após uma proposta do Setpes (Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Espírito Santo), as empresas Unimar e Grande Vitória voltaram no dia 06 de maio com a frota programada, que já está menor que o habitual por causa da pandemia do novo coronavírus.

A proposta consistiu na destinação integral da antecipação de compras do município, relativas a um mês de vale-transporte, para o pagamento de salários da Viação Tabuazeiro.

Além disso, o sindicato patronal propôs a destinação de 60% da receita da empresa para o pagamento de salários a cada oito dias. A medida também foi aceita pela categoria.

Os funcionários da Tabuazeiro realizaram também uma passeata.

A Câmara de Vereadores de Vitória aprovou um Projeto de Lei que prevê o pagamento de subsídio ao transporte coletivo municipal.

A aprovação da redação final do PL 71/2020 ocorreu em Sessão Ordinária nesta terça-feira, 05 de maio de 2020.

Relembre: Câmara de Vitória (ES) aprova subsídio ao transporte público

A proposta, de autoria dos vereadores Cleber Felix, Sandro Parrini e Wanderson Marinho, autoriza a Prefeitura a instituir o Regime Emergencial de Operação e Custeio do Transporte Público Coletivo. O objetivo é contribuir para o enfrentamento econômico e social da emergência em saúde pública decorrente da pandemia do novo coronavírus.

Diante da proposta e do acordo, a estimativa era de que a Tabuazeiro voltasse a circular conforme as tabelas programadas, o que não ocorreu.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta