Queda nas vendas de ônibus no Brasil acumula 30,97% e tendência é de agravamento por causa da crise gerada pela Covid-19

Publicado em: 4 de maio de 2020

Entre março e abril deste ano, a queda foi de 64,48%, passando de 1295 ônibus emplacados em março para apenas 460 em abril

ADAMO BAZANI

Os emplacamentos de ônibus no mercado brasileiro registrou uma queda de 30,97% no acumulado entre janeiro e abril de 2020 em comparação à semelhante período de 2019.

A crise ocasionada pelo avanço da Covid-19, que teve origem na China, pode se agravar ainda mais nos próximos meses e interrompeu um ciclo de recuperação do mercado de veículos pesados por causa da crise nas contas brasileiras entre 2014 e 2017.

Nos quatro primeiros meses deste ano, foram emplacados 5.754 ônibus enquanto que de janeiro a abril de 2019, foram comercializados 8.335 ônibus.

Entre março e abril deste ano, a queda foi de 64,48%, passando de 1295 ônibus emplacados em março para apenas 460 em abril.

Já comparando os 460 ônibus licenciados em abril de 2020 com as 2.142 unidades em abril de 2019, a queda foi de 78,52%

Os dados foram divulgados nesta segunda-feira, 04 de maio de 2020, pela Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores.

Por causa do avanço do novo coronavírus, é um dos piores momentos do mercado de automóveis no Brasil.

Contanto com todos os segmentos, a queda acumulada no ano é de 25,17%, sendo carros (-28,49%), comerciais leves (-19,05%), caminhões (-19,19%), ônibus (-30,97%), motos (21,85%), implementos rodoviários (-16,33%), outras classificações de veículos (- 22,34%).

No segmento de ônibus, Mercedes-Benz lidera seguida de Volkswagen Caminhões e Ônibus e Marcopolo (por causa dos miniônibus da Volare já vendidos integralmente).

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. JOAO LUIS GARCIA disse:

    Triste e preocupante, afinal são varias famílias que dependem desse setor direta e indiretamente.
    Isso sem falar que em 2019 já não foi um ano bom o setor.

Deixe uma resposta