Isolamento em São Paulo chega a 56% neste feriado de 1º de maio

Publicado em: 2 de maio de 2020

Fila em calçada na CEF – Caixa Econômica Federal, no centro de São Paulo, na manhã deste sábado, 02 de maio

Flexibilização da quarentena no dia 11 na Capital e Região Metropolitana está praticamente descartada e CET vai bloquear via para desestimular movimentações sem necessidade

ADAMO BAZANI

O índice de isolamento social, medida considerada necessária por infectologistas para reduzir o ritmo do crescimento de contágio e mortes pelo novo coronavírus, foi de 56 % neste feriado de 1º de maio.

O dado faz parte do SIMPI, sistema que monitora a movimentação pelos celulares, e foi divulgado pelo Governo do Estado de São Paulo neste sábado, 02 de maio de 2020.

No dia anterior ao feriado, na quinta-feira, 30 de abril, São Paulo registrou a pior taxa de isolamento desde o início da quarentena, em 24 de março: 46%

O número acendeu o sinal amarelo das autoridades de Saúde do Estado e o relaxamento da quarentena a partir de 11 de maio na capital e municípios vizinhos na região metropolitana foi praticamente descartado.

O índice considerado aceitável é de 50% a 60% de isolamento e o ideal é acima de 60%.

Para desestimular deslocamentos desnecessários, a CET – Companhia de Engenharia de Tráfego vai bloquear parcialmente vias de grande movimentação na capital paulista.

As vias só terão uma faixa livre para os veículos comuns.

Os ônibus não serão bloqueados e passarão livremente.

O fechamento será das 7h às 9h nos seguintes locais:

– Zona Sul: Av. Moreira Guimarães (B/C) x Av. Miruna;

– Zona Norte: Av. Santos Dumont (B/C) x Av. do Estado;

– Zona Leste: Av. Radial Leste (B/C) X Rua Pinhalzinho;

– Zona Oeste: Av. Francisco Morato (B/C) x Rua Sapetuba.

A CET, por meio de nota, alertou ainda que “caso a adesão da população ao isolamento não aumente a partir de segunda-feira, os bloqueios em vias da cidade poderão ser planejados e realizados durante todo o dia, como tentativa de aumentar a restrição e desestimular as pessoas a saírem de casa.”

As autoridades defendem o isolamento por vários motivos neste momento:

– O Brasil está na fase mais crítica de aceleração dos casos.

– A taxa de contágio pelo novo coronavírus é maior do que de várias doenças. Uma pessoa que tem o vírus pode contaminar pelo menos outras três, mesmo sem ter sintomas. Aliás, os assintomáticos são os maiores problemas porque pelo fato de não sentirem nada, a tendência é de tomarem menos cuidados.

– Não há vacina contra o novo coronavírus.

– Não há nenhum remédio comprovado que cure a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. JOSE LUIZ VILLAR COEDO disse:

    Quem sabe se o Governo Federal fosse menos ARROGANTE E METIDO A “SEMI-DEUS” E os Governos Estaduais e Municipais tivessem cancelado o SEMPRE PODRE CARNAVAL … A situação talvez estivesse menos feia, né? ! DA-LHE QUARENTENA ! Sem aulas presenciais, multiplicação de desempregados e fechamentos de empresas à rodo! Sem Missas! Sem Cinemas sem Museus… aff! Mas é pro nosso bem ! Não é “… uma gripezinha qualquer!…” nao!

  2. RodrigoZika disse:

    As pessoas não entendem, quando mais ignorarem mais ira durar a quarentena, mais pessoas ficarão sem emprego, mais empresa quebrarão.

Deixe uma resposta