Após anunciar suspensão de transporte, Teresina volta atrás e haverá ônibus direto dos bairros para o centro

Paradas serão dividas por bairros

Coletivos não vão entrar em terminais. Cadastramento de vans continua

ADAMO BAZANI

Depois de anunciar que iria suspender totalmente os serviços de ônibus municipais a partir de segunda-feira, 04 de maio de 2020, a prefeitura de Teresina voltou atrás neste sábado, 02, e informou que haverá um novo esquema de operação de transportes.

Os percursos serão direto dos bairros para o centro e só os trabalhadores dos serviços essenciais terão acesso ao cartão eletrônico.

Ainda de acordo com a prefeitura, a integração poderá ser feita em qualquer ponto de cruzamento das linhas, como o centro da cidade e as avenidas João XXIII e Frei Serafim. Da mesma forma que funcionava antes, a troca deve ser feita num prazo máximo de duas horas.

Em nota, o superintendente da STrans, Weldon Bandeira, disse que os ônibus não vão entrar nos terminais para evitar aglomerações.

“Vamos voltar ao sistema antigo. Nas linhas alimentadoras, o percurso será o mesmo, mas os ônibus não irão entrar nos terminais. A viagem seguirá até o centro para evitar a aglomeração nos terminais”

Os oito terminais da cidade serão fechados, ocorrendo a separação de usuários por bairros. “Queremos evitar aglomeração de pessoas de áreas diferentes da cidade, diminuindo o risco de contágio da doença”, disse, ressaltando que as medidas deverão ser mantidas enquanto durar o estado de calamidade pública em saúde.

Ainda de acordo com a secretaria, mesmo com a mudança de decisão, o cadastramento de vans, micro-ônibus e ônibus de fretamento para complementar o transporte regular vai continuar.

“Esses veículos podem ajudar a atender a população. Há vários dias o sistema de transporte alternativo com vans foi paralisado por determinação do sindicato dessa categoria”, informou Weldon.

O cadastramento continua nesta segunda-feira, na sede da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) das 8h às 12h.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta