Prefeitura de Atibaia altera intervenção na Sancetur e greve é encerrada

Publicado em: 30 de abril de 2020

Poder Público se isenta das obrigações financeiras e trabalhadores estavam a dois dias de braços cruzados, cobrando pagamento de salários atrasado

WILLIAN MOREIRA

A paralisação dos funcionários do transporte coletivo por ônibus na cidade de Atibaia, no interior paulista, se encerrou na manhã desta quinta-feira, 30 de abril de 2020.

A prefeitura, por meio de um novo decreto N° 9.166, alterou a forma de intervenção do Poder Público Municipal na empresa Sancetur de nome fantasia, SOU Atibaia. No começo deste mês no dia 05, depois da empresa ter supostamente retirado parte de frota de veículos da cidade sem aviso prévio, foi determinada intervenção para que o serviço não fosse interrompido.

Com a mudança de ação, agora a Prefeitura passa a ser responsável pela manutenção dos veículos e operação do serviço (horários de partidas, linhas a serem atendidas e a organização do sistema), já a SOU Atibaia fica responsável pela parte financeira, administrativa e fiscal, precisando quitar as pendências com os trabalhadores, fornecedores e área tributária.

Após essa divisão das responsabilidades tornando agora uma administração conjunta entre Prefeitura e a empresa, os funcionários retomaram para seus postos de trabalho e a previsão é de que o transporte seja restabelecido até a tarde desta quinta.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Sheila Eugênio de Senne Medeiros disse:

    Os ônibus já voltaram a circular????

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Esse negócio de intervenção no buzão é antigão.

    Há algumas décadas a Viação Brasília foi interditada se não me falha a memória, foi na gestão do Prefeito Jânio Quadros.

    Ai me vem uma questão.

    Se em pleno 2021 ainda existe intervenção em empresa de buzão; por que conceder o buzão a iniciativa privada?

    Tá certo que há que o poder público não é um bom gestor.

    Mas pensem bem:

    Tanto trabalho pra licita e depois no curso da concessão, frente a qualquer dor de barriga, as emresas de buzão abandonam o barco e lá vai o bondoso poder publico segurar a bucha.

    Vale a pena conceder os serviços do buzão?

    Sinceramente estou em dúvidas…

    Fica ai para reflexão.

    SAÚDE A TODOS !

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta