Isolamento social em SP cai para 47% e ministro da Saúde defendeu manutenção das restrições, diz Uip

Publicado em: 30 de abril de 2020

Secretário de Saúde, José Henrique Germann Ferreira, alerta para risco de esgotamento da capacidade das UTIs dos hospitais

De acordo com equipe de Saúde do Governo do Estado, 89% dos leitos da UTI estão ocupados na cidade de São Paulo. Pacientes da capital poderão ser transferidos para o interior

ADAMO BAZANI

O isolamento social em São Paulo foi de 47 % nesta quarta-feira, 29 de abril de 2020, o menor desde o início da quarentena em 24 de março, empatando com o dia 09 de abril que teve o mesmo índice.

O dado é com base no monitoramento por meio de celulares.

No início da tarde desta quinta-feira, 30, o médico infectologista David Uip, coordenador do grupo de contingência à Covid-19 no estado de São Paulo, e o secretário de Saúde, José Henrique Germann alertaram em entrevista coletiva para o perigo deste índice.

David Uip falou de reunião virtual que ocorreu com o novo ministro da Saúde, Nelson Teich.

Segundo o infectologista, o ministro de Bolsonaro defendeu a manutenção do isolamento para cenários como de São Paulo, que está numa vertente de crescimento rápido.

Atualmente são 28.698 casos e 2375 óbitos no Estado de São Paulo, crescimento de 6% em mortes. Na capital, são 89% de ocupação de leitos de UTI. Pacientes da cidade de São Paulo poderão ser transferidos para o interior.

Germann e Uip relacionaram uma série de pedidos feitos ao ministro, entre os quais:

– 100 respiradores

– 1600 kits de cardiomonitor

– 20 milhões de materiais para coleta de exame

– 4 milhões de testes rápidos

– De 2736 novos leitos necessários de UTI, houve habilitação em 734. Para habilitar os demais, são necessários R$ 292 milhões.

– 2,6 milhões de medicamentos.

Na manhã desta quinta-feira, 30, secretário de Saúde da cidade de São Paulo, Edson Aparecido, que não haverá a possibilidade de relaxamento da quarentena na capital paulista a partir do dia 11 de maio.

O motivo é que as pessoas não estão respeitando o isolamento social e os casos de Covid-19 na cidade de São Paulo estão crescendo em um ritmo muito forte.

A prefeitura estuda medidas mais enérgicas como fechar ruas e avenidas em horários específicos.

De acordo com a equipe de Saúde do governador João Doria, o índice aceitável é entre 50% e 60% e ideal, mais que 60%.

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que na próxima semana começam mais de 130 mil testes de detecção do novo coronavírus, começando com testes em profissionais de saúde e segurança, além de detentos.

Pessoas em geral com sintomas serão testadas e, numa segunda fase, os parentes e quem teve em contato com essas pessoas.

Numa terceira fase, a intenção é testar assintomáticos.

O objetivo é ter uma média de 27 mil testes por milhão de habitantes.

Um sistema de aplicativo vai reunir os dados. Quem realizar os testes vai receber orientações de como proceder dependendo do resultado.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta