A prefeitos da Região Metropolitana, Doria diz que isolamento social deve ser unificado em todas as cidades

Doeria juntamente com secretários fala com prefeitos por vídeoconferência

Obediência à quarentena tem sido diferente em cidades próximas e resultados podem comprometer abertura de comércios a partir de 11 de maio

ADAMO BAZANI

Cidades muito próximas umas das outras estão registrando índices bem diferentes de isolamento social, considerada a única forma de conter o avanço do novo coronavírus e não superlotar os hospitais.

No ABC Paulista, enquanto a cidade de Ribeirão Pires, por exemplo, registrou nesta terça-feira, 28 de abril de 2020, 58% de isolamento de acordo com o sistema de monitoramento de celulares, Santo André, teve apenas 49%.

Essa disparidade em municípios tão próximos preocupa o governo do Estado de São Paulo.

Nesta quarta-feira, 29 de abril de 2020, em reunião por vídeo com prefeitos de 38 cidades da Região Metropolitana de São Paulo, o governador de São Paulo João Doria alertou que se o índice de isolamento continuar baixo (foram 48% novamente em todo o Estado), a flexibilização gradual da quarentena prevista para a partir de 11 de maio estará comprometida.

O secretário de Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, Marco Vinholi, disse que as estratégias das cidades devem ser unificadas.

“Não existe estratégia isolada nesse momento. O que cada uma das cidades faz reflete diretamente nas outras. É fundamental que se mantenha a unidade nas ações para que não tenhamos impactos negativos em torno do combate ao coronavírus”, destacou Vinholi, de acordo com nota do Governo do Estado de São Paulo.

Na mesma nota, a assessoria do Palácio dos Bandeirantes diz que Doria alertou os prefeitos a seguir com rigor a quarentena até o dia 10 de maio.

“Vamos seguir rigorosamente a quarentena até o dia 10 de maio, até mesmo porque o nosso sistema inteligente tem indicado queda na taxa de isolamento em algumas cidades da Região Metropolitana. Temos que ficar alertas nesses casos, mas também parabenizar aquelas cidades em que a população tem respondido positivamente, permanecendo em suas casas, se resguardando, protegendo suas vidas e das demais pessoas. Juntos vamos superar essa crise. Juntos, tudo vai passar”, disse Doria.

Segundo o Governo do Estado, balanço publicado na tarde desta quarta-feira confirmou 26.158 casos da doença e 2.247 mortes em decorrência da COVID-19 em São Paulo. Das 645 cidades paulistas, 314 tiveram pelo menos um registro da doença. Do total de infectados, 9.520 foram detectados em cidades do interior, litoral e Região Metropolitana da capital.

O prefeito de Rio Grande da Serra e presidente do Consórcio Intermunicipal do ABC, Gabriel Maranhão, disse que a preocupação dos sete municípios da região, é com a regulação dos leitos de terapia intensiva para tratar os pacientes com o novo coronavírus.

“A situação da epidemia é muito grave. Estamos no limite, mesmo após os municípios da nossa região terem inaugurado hospitais de campanha e aberto novos leitos”, afirmou Maranhão.

Participaram da reunião os Secretários de Estado Marco Vinholi (Desenvolvimento Regional), Patricia Ellen (Desenvolvimento Econômico), José Henrique Germann (Saúde) e Célia Parnes (Desenvolvimento Social), além da economista Ana Carla Abraão, membro do Comitê Econômico, e Geraldo Reple, representando o Centro de Contingenciamento do coronavírus.

Nesta quinta-feira, 30 de maio de 2020, será feita uma reunião com prefeitos de cidades com menos de 200 mil habitantes que não integram a região metropolitana da capital paulista.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. RodrigoZika disse:

    Comércios já falindo e empresas, se ele prorrogar além do dia 11, a coisa tende a ficar pior ainda.

  2. Renato Vieira dos Santos disse:

    Isso será lembrado em 2022.

Deixe uma resposta para RodrigoZika Cancelar resposta