Greve de rodoviários se alastra em Vitória (ES) e paralisa sistema de transporte coletivo

Publicado em: 27 de abril de 2020

Greve começou na quinta-feira com a Tabuazeiro. Foto: Sindirodoviários/Arquivo

Sindirodoviários afirma que os ônibus das três empresas do sistema municipal da capital não estão rodando nesta segunda, 27

ALEXANDRE PELEGI

Vitória, no Espírito Santo, amanhece sem ônibus do transporte coletivo nesta segunda-feira, 27 de abril de 2020.

A paralisação total nos coletivos do Sistema Municipal de Vitória, que é atendido por três empresas, não tem data para terminar.

Como mostrou o Diário do Transporte, a greve tomava apenas uma das empresas concessionárias do transporte urbano, a Viação Tabuazeiro. Neste sábado, 25, a Tabuazeiro entrou no terceiro dia de greve dos funcionários. Relembre: Viação Tabuazeiro entra no terceiro dia em greve em Vitória

A partir de hoje, a paralisação se estendeu às outras empresas que operam o serviço em Vitória, a Unimar e a Grande Vitória.

A informação é do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Espírito Santo (Sindirodoviários), que na madrugada desta segunda deflagrou o movimento, em protesto ao atraso de pagamento no salário dos rodoviários da Tabuazeiro.

Na página do Facebook do sindicato dos rodoviários, a entidade publicou no sábado um aviso sobre o fracasso das negociações, convocando os trabalhadores para que nesta segunda-feira comparecessem à frente da garagem da Tabuazeiro:

As negociações não avançaram e a empresa ainda não pagou o que deve aos empregados. O Sindicato convoca todos os trabalhadores e as trabalhadoras da Tabuazeiro a se fazerem presentes na próxima segunda feira, a partir das 4 horas da manhã, em frente à garagem da empresa. Nos mantemos na luta. Venha junto com o sindicato.

sindirodoviarios_ES

Em resposta à greve na Tabuazeiro, o SETPES – Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Espírito Santo informou na última quinta-feira que o transporte coletivo do Sistema Municipal de Vitória perdeu mais de 80% dos passageiros desde o início do isolamento social no estado em função da Covid-19. Além disso, o sindicato das empresas de ônibus ressaltou que não há qualquer subsídio do governo, e a única arrecadação é proveniente das tarifas.

Com apenas 20% do faturamento, isso inviabiliza o pagamento das despesas para operação da frota.

Na última segunda-feira, o Setpes já havia se manifestado a respeito da crise no setor de transporte em sua página no Facebook:

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta