Queda da demanda de passageiros nas concessões de mobilidade da CCR foi de 74,7% na última semana

Publicado em: 26 de abril de 2020

Linha 5-Lilás é concessão da CCR com o grupo Ruas, de empresas de ônibus

Demanda de aeroporto encolheu 97,6%

ADAMO BAZANI

Por causa da crise gerada pelo avanço do novo coronavírus a demanda dos transportes coletivos tem caído a patamares sem precedentes.

De acordo com o balanço mais recente divulgado pelo Grupo CCR, a movimentação de passageiros nas concessões de mobilidade que opera caiu 74,7% na semana de 17 a 23 de abril de 2020 em comparação com igual período de 2019.

Já no acumulado entre 01º de janeiro e 23 de abril de 2020, a demanda de usuários encolheu 19,6%.

Por ser um grupo de capital aberto, com ações em bolsa de valores, e por iniciativa própria, a CCR tem divulgado constantemente a variação da demanda de passageiros desde quando começou a crise do novo coronavírus.

Sempre na comparação com os períodos semelhantes do ano passado, entre os dias 20 e 26 de março de 2020, a queda de demanda foi de 74,5%. Já na semana de 27 de março a 02 de abril, a quantidade de passageiros 78,4% menor.

Na área de mobilidade, a CCR controla (de forma única ou associada) a ViaQuatro – Linha 4 do metrô de São Paulo, ViaMobilidade – Linha 5 Lilás de Metrô, Barcas S.A. do Rio – Transportes Marítimos, VLT Carioca e Metrô Bahia. O monotrilho da linha 15-Prata de São Paulo ainda não foi assumido pelo grupo por determinação judicial e o monotrilho da linha 17 ainda não está pronta, apesar das obras desde 2010/11

 

Em relação ao aeroporto concedido à CCR, o grupo diz que a demanda de 17 a 23 de abril foi de 97,6%

Entre os dias 27 de março de 02 de abril foi de 93% em relação à mesma semana de 2019. Entre os dias 20 e 26 de março, a queda tinha sido 68,9%.

A CCR é concessionária, no Brasil, pela BH Airport, com 38,25%, do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte.

A redução no movimento das rodovias foi relevante também, variando de acordo com cada concessão, mas só não foi maior por causa do tráfego de caminhões.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta