Coronavírus: Marcopolo seleciona projetos de empresas de biossegurança para evitar contaminação em ônibus

Desde o início de abril, mais de 20 soluções apresentadas foram escolhidas. Foto: Júlio Soares.

Infectologistas, engenheiros e especialistas da empresa fazem a triagem das soluções

JESSICA MARQUES

Com o objetivo de combater o novo coronavírus no transporte coletivo, a Marcopolo Next, divisão da fabricante de carrocerias de ônibus focada em inovação, lançou desafios de inovação aberta. O objetivo é buscar startups e tecnologias especializadas em biossegurança para tornar o transporte coletivo mais seguro a contaminações virais.

A seleção dos projetos é conduzida por um grupo técnico multidisciplinar de infectologistas, engenheiros e especialistas da Marcopolo. De acordo com a fabricante, a triagem das soluções segue critérios como adequação a aplicação em ônibus e o nível de maturidade da solução.

Assim, o projeto tem como foco a oferta de pacotes embarcados de biossegurança ou disponíveis em formato de serviços.

Desde o início de abril, mais de 20 soluções apresentadas foram escolhidas e, entre essas, algumas já estão em processo de aprovação de conceito junto a operadores e clientes.

“A iniciativa coloca a Marcopolo ao lado das empresas operadoras de transporte e busca formas de auxiliar os clientes a seguir com suas operações, além de proteger a sociedade da pandemia de Covid-19 e de outros agentes biológicos nocivos à saúde e a segurança dos passageiros e motoristas”, informou a empresa, em nota.

Confira abaixo os segmentos que conduzem a escolha das soluções:

Higienização: soluções de biossegurança, higienização e esterilização que tornam o interior do ônibus, assim como o bagageiro, menos propensos à disseminação dos vírus durante as viagens.

Sistemas de isolamento e triagem: com o objetivo de promover viagens mais seguras e confortáveis, esses sistemas permitem restringir contato entre passageiros e também com os motoristas. Enquadram-se nesse tema soluções que identifiquem passageiros com sintomas, medição de temperatura.

Nanotecnologia e materiais: novas formas de facilitar a higiene e esterilização do ambiente interno do ônibus.

Sistemas de informações/comunicação: formas de orientar passageiros, motoristas, mecânicos, zeladores, etc. sobre boas práticas na higienização do veículo, bagagens e demais produtos ofertados na viagem.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta