Isolamento social em São Paulo para combater o avanço do novo coronavírus sobe para 54%

Medida é recomendada por autoridades mundiais de saúde. Percentual ainda é abaixo do considerado ideal

ADAMO BAZANI

O índice de isolamento social no estado de São Paulo para conter o avanço do novo coronavírús subiu para 54% neste sábado (19), de acordo com dados do sistema de monitoramento por telefonia móvel.

Na sexta-feira, o índice era de 49%. Na quinta-feira, o total foi de 49% também.

Os especialistas mundiais em Saúde apontam a necessidade de isolamento para que não haja uma explosão de casos ao mesmo tempo e os hospitais não deem conta de atender a tantas pessoas. Não há vacina para prevenir do novo coronavírus e nem um remédio que seja comprovado.

Apesar da alta, reflexo do feriado prolongado, o número é ainda inferior aos 70% apontados pela coordenadoria de gestão de crise do coronvírus em São Paulo como ideais para reduzir o ritmo de avanço da curva.

Em nota, o Governo do Estado revela que neste domingo, São Paulo ultrapassou a marca de mil mortes por causa do novo coronavírus:

O Estado de São Paulo ultrapassou a marca de mil óbitos pelo novo coronaívus, após 32 dias da primeira confirmação de morte pela doença no país. Neste domingo (19), SP acumula 1.015 vítimas fatais da COVID-19.
Houve pelo menos um óbito em 93 cidades, com prevalência na Grande São Paulo. A Capital contabiliza 700 vítimas, seguida por Guarulhos (28), Osasco (27), São Bernardo do Campo (20) e Santo André (12). Fora da Região Metropolitana, o município que registra o maior número de mortes é Santos, com 19.
Hoje, são 5,6 mil pessoas em hospitais em virtude da doença (confirmados e suspeitos), sendo 3.279 em leitos de enfermaria e 2.345 em leitos de UTI.
O número de casos confirmados da doença chega a 14.267, distribuídos em 228 cidades do Estado. As mesmas seis cidades citadas acimas também detêm os maiores números de casos, com mais de 200 pessoas infectadas. São 9.668 em São Paulo; 308 em Guarulhos; 297 em São Bernardo; 293 em Santos; 269 em Osasco; e 247 em Santo André.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. RodrigoZika disse:

    SP só vai seguir em bairros nobres porém alguns e central, periferia esquece, a maioria estão abrindo comércio normalmente e na rua, isso não tem como o Dória safado fiscalizar.

Deixe uma resposta