Isolamento social em São Paulo ainda está em 49% e número preocupa autoridades de Saúde

Ponto de ônibus vazio na região central de São Paulo. Descumprimento maior tem sido em bairros mais afastados

Nas cidades com maior número de casos, adesão é abaixo do ideal estipulado pelo comitê de crise, aponta monitoramento: São Paulo, Guarulhos e São Bernardo do Campo

ADAMO BAZANI

A adesão ao isolamento social para restringir o avanço do novo coronavírus no Estado de São Paulo permaneceu na sexta-feira (16) em 49%, mesmo índice do dia anterior, e bem abaixo do considerado ideal para que a curva do crescimento do número de mortes e de casos não tenha picos acima da capacidade de atendimento nos hospitais, muitos dos quais já completamente lotados.

O dado foi divulgado neste sábado (17) e faz parte do sistema de monitoramento com base nos sistemas de celulares das operadoras.

O governo do Estado de São Paulo diz que o anonimato das pessoas é preservado e o sistema só capta os mapas de calor, ou seja, onde estão os aparelhos, mas não mostra de quem são os telefones.

De acordo com o Coordenador do Centro de Contingência do coronavírus em São Paulo, o médico infectologista David Uip, a adesão ideal para controlar a disseminação da COVID-19 é de 70%.

Os três municípios que mais registram casos entre os 645 do Estado estão com índices bem abaixo do ideal:

São Paulo (Capital): 49%

Guarulhos: 51%

São Bernardo do Campo: 49%

O SIMI-SP monitora as 104 cidades com 70 mil habitantes ou mais e “é viabilizado por meio de acordo com as operadoras de telefonia Vivo, Claro, Oi e TIM para que o Estado possa consultar informações agregadas sobre deslocamento nos 645 municípios paulistas. As informações são aglutinadas e anonimizadas sem desrespeitar a privacidade de cada usuário. Os dados de georreferenciamento servem para aprimorar as medidas de isolamento social para enfrentamento ao coronavírus.” – conforme nota do governo do Estado.

Veja gráfico com a evolução do isolamento:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta