Coronavírus: Empresas de ônibus de Campina Grande suspendem 700 contratos de trabalho

Empresas registraram queda de demanda

Suspensão é por 60 dias e se baseia em MP de Bolsonaro sobre ações de emergências econômicas diante dos impactos da crise de saúde que surgiu na China

ADAMO BAZANI

As empresas de ônibus de Campina Grande, na Paraíba, vão suspender os contratos de trabalho de aproximadamente 700 trabalhadores, entre motoristas, fiscais, mecânicos, funcionários de garagem, de terminais e de setores administrativos.

A suspensão dos contratos deve ser por 60 dias e tem como base a Medida Provisória 936, da equipe do presidente Jair Bolsonaro, que traz a possibilidade de suspensão dos contratos e redução de jornada de trabalho e salários, para        evitar demissões durante a crise gerada pelo novo coronavírus, que teve origem na China e se alastrou por todo o mundo.

A decisão foi comunicada à STTP – Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos, gerenciadora do sistema de ônibus.

As empresas alegam queda de receita devido às restrições de movimentação, única maneira de evitar que o coronavírus contamine muitas pessoas ao mesmo tempo, podendo causar um colapso do sistema de saúde.

Como mostrou o Diário do Transporte, relatório da NTU, associação que reúne mais de 500 empresas de ônibus no Brasil, o setor de transportes já apresenta sinais de colapso, com demissões, fechamentos de companhias e suspensões de contratos de trabalho.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/04/16/coronavirus-empresas-de-onibus-urbanos-demitem-15-mil-suspendem-contratos-de-trabalho-e-ja-comecam-a-entrar-em-colapso-no-pais/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Felipe Almeida disse:

    Na próxima eleição gritem mito e façam mais sinal de arminha. Bem feito pro brasileiro aprender. Triste pra quem não votou nesse genocida travestido de Presidente.

Deixe uma resposta