Empresas de ônibus do Rio dizem apoiar horários diferenciados para trabalhadores, mas pedem ajuda na organização dos embarques

Ônibus no Rio de Janeiro

Rio Ônibus também volta a falar em colapso do sistema

ADAMO BAZANI

Para evitar as aglomerações nos ônibus, trens, barcas e metrô, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, determinou por meio de decreto, horários diferenciados para categorias profissionais.

A entrada dos trabalhadores da indústria deve ser antes da 6h e dos estabelecimentos comerciais autorizados a funcionar devem abrir a partir das 9h.

Estabelecimentos como farmácias e padarias podem funcionar de maneira livre.

O Rio Ônibus, sindicato das viações, por meio de nota na noite desta segunda-feira, 06 de abril de 2020, se manifestou favorável ao decreto de Crivella.

A entidade patronal, entretanto, pediu maior apoio das autoridades públicas para ajudar a organizar as filas e embarques e votou a falar que o setor pode entrar em colapso se não receber auxílio financeiro por causa da queda da demanda.

O Rio Ônibus destaca e apoia integralmente o Decreto nº 47.338, publicado no Diário Oficial do Município nesta segunda-feira (6), que determina horários diferenciados para os expedientes que ainda funcionam na cidade. A medida colabora para minimizar aglomerações de passageiros nos transportes públicos durante os horários de pico.

Ainda assim, o sindicato alerta que para aumentar ainda mais a segurança dentro dos coletivos é fundamental o apoio de agentes públicos na organização das filas de embarque.

O Rio Ônibus segue aguardando apoio ao setor que está a beira do colapso total. Com demanda de passageiros girando em torno de 25% é de extrema necessidade para a manutenção do serviço, o suporte do poder público, assim como acontece em São Paulo.

Sem uma ação eficaz de auxílio das autoridades competentes, o Rio Ônibus alerta, mais uma vez, para o colapso iminente do sistema.

O BRT Rio, consórcio que opera o sistema de corredores de ônibus, também declarou apoio ao decreto e cita medidas para evitar as aglomerações.

O BRT Rio segue trabalhando com toda a frota operante, apesar do agravamento da crise financeira causada pela redução de até 75% no volume de passageiros neste período. A empresa está atuando rigorosamente da maneira acordada com a Prefeitura, contando com o apoio da Secretaria Municipal de Transportes e da Guarda Municipal, de modo a que os veículos saiam dos terminais e estações somente com passageiros sentados. Entretanto, é imprescindível que os usuários de todos os transportes públicos se conscientizem e não forcem o acesso a veículos que já estejam com todos os assentos ocupados.

Para ajudar no processo de conscientização da população, o BRT Rio demarcou faixas com 1,5 metro de distância entre elas no piso de estações e terminais de maior movimentação de passageiros, como Mato Alto, Jardim Oceânico e Alvorada. O mesmo será feito em Santa Cruz.

Além disso, desde a manhã desta segunda-feira, profissionais do BRT Rio estão com megafones nas estações Santa Cruz, Mato Alto e Terminal Alvorada pedindo aos passageiros que mantenham distanciamento entre as pessoas nas filas, seguindo assim as orientações da OMS e das  autoridades para evitar a contaminação pelo novo coronavírus. O aumento da fila verificado no embarque da estação Santa Cruz nesta segunda-feira é resultado justamente do maior distanciamento entre as pessoas, além do acesso aos ônibus apenas para passageiros sentados.

O BRT Rio também está afixando cartazes em diferentes estações para chamar a atenção dos usuários para essa necessidade preventiva, além da publicação de mensagens de conscientização em suas redes sociais.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Pedro disse:

    Engraçado numa UBER você paga R$ 15,00 e anda tranquilo confortavelmente, já num ônibus velho e sujo tem que super lotar porque se não alegam que tomam prejuízo, o transporte público no Brasil e um crime sem castigo.

Deixe uma resposta