PL da Câmara de SP quer banheiros públicos das estações da CPTM, Metrô e terminais de ônibus abertos na capital durante pandemia

Publicado em: 4 de abril de 2020

Banheiro da Estação Vila Aurora, da CPTM (Linha 7-Rubi).

Proposta ainda determina instalação de bebedouros e álcool em gel em todos os espaços, além de uma renda mínima aos informais e desempregados 

ALEXANDRE PELEGI

Um Projeto de Lei (PL) da Câmara de Vereadores de São Paulo propõe que, durante o período de combate a pandemia, deverão permanecer abertos os banheiros públicos das estações da CPTM e do Metrô, bem como dos terminais de ônibus dentro da circunscrição do Município.

O Projeto, de autoria do vereador Toninho Vespoli (PSOL), determina ainda a instalação de bebedouros e a colocação de álcool em gel nesses espaços, “mesmo que a circulação de tais modais de transporte seja interrompida”.

O PL 01-00186/2020 dispõe sobre medidas de proteção à população paulistana durante o período de enfrentamento da pandemia decorrente do novo coronavírus.

O Projeto propõe ainda que os fornecedores de bens e serviços no município possam majorar seus preços a partir de 01 de março.

O PL quer proibir também que as concessionárias de serviços públicos – água e tratamento de esgoto, gás e energia elétrica – interrompam o fornecimento em caso de falta de pagamento.

Além disso, o Projeto determina a criação de uma renda mínima emergencial paga pelo Município aos profissionais informais, microempreendedores e desempregados residentes na capital durante o período de enfrentamento da pandemia. A renda corresponderá ao valor de um salário mínimo vigente e será pago mensalmente em parcela única até o 5º (quinto) dia útil de cada mês.

Por fim, determina a inclusão de álcool em gel em todas as cestas básicas distribuídas no Município.

O vereador justifica sua proposição afirmando que é preciso evitar um desastre de proporções maiores. Para tanto, “é importante que o Poder Público garanta ao menos o fortalecimento de serviços básicos aos mais necessitados bem como uma parcela pecuniária para garantias básicas, como alimentação e medicamentos aos mais vulneráveis”.

 

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. RodrigoZika disse:

    E o correto, muita gente ainda esta trabalhando por não ter opção.

  2. Djal disse:

    Dese que seja até o horário de fechamento das estações porque hoje só ficam abertos até às 22:00.

Deixe uma resposta