Relatório do Moovit mostra redução média de 63% no transporte público do país diante do coronavírus

Publicado em: 3 de abril de 2020

Transporte coletivo em São Paulo ficou na média nacional: 63% de redução de passageiros durante a quarentena.

Documento é alimentado com dados anônimos de milhões de usuários do aplicativo em todo o planeta, e no Brasil analisa o impacto da pandemia em 10 grandes cidades 

ALEXANDRE PELEGI

O aplicativo de mobilidade urbana Moovit está utilizando dados de cidades de todo o mundo para monitorar o impacto do novo coronavírus no transporte público.

As informações são atualizadas diariamente por meio de um relatório de big data, que é apensado ao Relatório Global da empresa.

As informações estão disponíveis em moovit.me/relatorio-transporte.

O relatório é alimentado com dados anônimos de milhões de usuários do Moovit em todo o planeta, e traz a análise do transporte em 10 cidades brasileiras, gerando informações que auxiliam na mensuração do impacto.

Em comunicado enviado ao Diário do Transporte, o Moovit aponta algumas informações. A redução média no transporte coletivo foi de 63%.

São Paulo mantém essa média, com quase 63% de redução, enquanto o Rio de Janeiro está com 59% e Brasília, com 55% de queda.

A cidade que sofreu o maior impacto foi Fortaleza, no Ceará, onde a redução passa dos 70%; e a menor é Belo Horizonte, pouco acima dos 51% de queda.

Ainda segundo o comunicado, a queda começa a se acentuar a partir do dia 13 de março, tendo chegado a um patamar estável nos últimos dias.

Quando comparado a outras capitais da América Latina, nota-se que a situação brasileira é, digamos, “menos ruim”, apesar de catastrófico. Em Buenos Aires, Argentina, a queda é de 75%, 12 pontos percentuais acima da média de redução do transporte coletivo nas cidades brasileiras.

Já em Santiago do Chile a situação é pior, de quase 80%, e em Lima, Peru, mais ainda, 90% de queda no transporte coletivo.

As grandes cidades europeias repetem o cenário drástico de redução: 89% em Roma e Milão, na Itália, um dos locais com maior incidência de infectados e mortos pelo coronavírus; 88% em Madri, na Espanha, que também sofre bastante com a pandemia; 86% em Paris e 75% em Lisboa e Londres.

O gráfico abaixo mostra os dados mais recentes sobre as cidades brasileiras:

Coronavirus_Brasil

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta