Mais de 100 funcionários do transporte coletivo são demitidos em Pernambuco

Um protesto foi realizado em frente a garagem da Transcol. Foto: Divulgação Sindicato dos Rodoviários-PE.

Representantes do Sindicatos dos Rodoviários realizaram protesto em frente a uma das garagens em Recife

WILLIAN MOREIRA

Pelo menos 100 funcionários do transporte coletivo de Recife, entre motoristas, cobradores e fiscais, foram demitidos ou tiveram a suspensão dos salários, de acordo com representantes do Sindicatos dos Rodoviários, dentre eles o presidente Aldo Lima.

O sindicato explica que a justificativa das empresas Transcol, Globo, Itamaracá, Pedrosa e Vera Cruz, seria a queda brusca na arrecadação das receitas causas pela crise do novo coronavírus.

O fator teria diminuído muito o número de passageiros transportados nos últimos dias. Segundo o sindicato, os funcionários não foram comunicados com antecedência do desligamento ou da suspensão dos pagamentos.

Um protesto foi realizado em frente a garagem da Transcol e em certos momentos a BR-101 foi fechada e por isto a Polícia Militar chegou a ser acionada para liberação da pista.

Entidades sindicais seguem acompanhando o protesto e alegam não permitir que as demissões sejam de fato concretizadas, pedindo que o governo intervenha e busquem soluções para garantir os postos de trabalho.

OUTRO LADO

De acordo com o Urbana-PE (Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco), que respondeu à imprensa pela Transcol, a demissão foi por conta da redução de demanda de passageiros na Região Metropolitana do Recife.

Ainda segundo a Urbana-PE, “o sistema de transporte coletivo passa por um período de dificuldades devido ao isolamento social para conter a disseminação da Covid-19 e esse cenário repercutiu nas decisões tomadas pela empresa”.

Ao portal FolhaPE, a representante da empresa que realizou as demissões afirmou que o cenário de crise repercutiu diretamente na operação do serviço, uma vez que o custeio do serviço depende da quantidade de passageiros transportados e da arrecadação tarifária.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. ROBERTO DIAS disse:

    Podem perfeitamente tentarem justificar as demissões, (apesar dos varios auxilios que os governos Estaduais e Federais tem dado às empresas, justamente para evitar as demissões.), mas, uma vez que optaram por demitir, que acertem em tempo hábil tudo que o trabalhador tem de direito, uma vez que a crise atingirá o futuro das empresas, porém, os direitos dos trabalhadores estão garantidos pelos serviços prestados no passado. Ou seja, até ontem os empresários estavam faturando a todo vapor. Os efeitos desta crise ainda estão por vir. Os Empresários estão tentando se aproveitar da situação. INIMIGOS DO TRABALHADOR E DO BRASIL!

Deixe uma resposta