Coronavírus: Sistema BRT Belém será suspenso por 15 dias a partir desta quarta-feira

Segundo o prefeito, medida é para estimular que as pessoas fiquem em casa e reduzir custo operacional para empresas. Foto: Divulgação.

Medida inclui ônibus articulados, linhas troncais e alimentadoras

JESSICA MARQUES

Devido às novas medidas de prevenção da Covid-19 na capital paraense, a Semob (Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém) informou que suspenderá todo o sistema BRT Belém a partir do dia 1° de abril.

A medida valerá inicialmente para 15 dias e inclui a paralisação dos ônibus articulados BRT, linhas troncais e alimentadoras, e o fechamento de todas as estações e terminais Maracacuera, Tapanã, Mangueirão e São Brás.

De acordo com a Prefeitura, com o fechamento do sistema, os veículos de modelo padron, que fazem as linhas troncais, serão incorporados às linhas convencionais que farão o trajeto Tapanã/Ver-o-Peso, Icoaraci/Presidente Vargas/Paracuri I, Icoaraci/Presidente Vargas/Paracuri II e Outeiro/Brasília/São Brás. Ônibus articulados BRT ficarão totalmente parados.

“A interrupção do sistema se alinha com medidas mais austeras de prevenção como preconizam as autoridades de saúde e o decreto do prefeito Zenaldo Coutinho. Terminais de integração e estações são, por natureza, locais de concentração de pessoas que fazem embarque e desembarque, e isso deve ser evitado cada vez mais. Da mesma forma que os ônibus articulados, que são refrigerados e sem possibilidade de abertura de janelas, também não são um ambiente indicado neste momento”, afirmou Gilberto Barbosa, titular da Semob, em nota.

“Essa interrupção é também um estímulo para as pessoas permanecerem em casa, uma atitude que impõe e preserva o isolamento social”, completou o prefeito, Zenaldo Coutinho.

REDUÇÃO DE DEMANDA

Também segundo o prefeito, diante da redução drástica no número de passageiros no sistema de transporte público de Belém, não faz sentido na atual conjuntura, manter a estrutura do BRT funcionando.

Com a interrupção do sistema e fechamento de estruturas físicas, haverá uma redução significativa nos custos de operacionalização, o que dará fôlego às empresas para enfrentar o atual cenário de baixo número de passageiros, de acordo com Coutinho.

“Para evitar a suspensão de todo o sistema, a Semob resolveu suspender o BRT, o que também irá colaborar para o equilíbrio econômico das empresas”, disse.

“Esse tipo de transporte de massa é caracterizado por custos elevados, em especial para operacionalizar terminais e estações. É um sistema de média capacidade que estava atendendo a uma pequena demanda, só justificada em horários de pico, e totalmente ociosa no restante do dia. Assim, haverá uma economia relevante neste momento de contenção”, explicou também Gilberto Barbosa.

REFLEXOS

Ainda de acordo com a Prefeitura, todo o sistema de transporte público por ônibus em Belém está sentindo os reflexos do isolamento social e a consequente redução do número de passageiros.

“O sistema precisou ser otimizado para se equiparar a esta demanda atual, o que corresponde a manter, em média, de 40 a 50% da oferta de veículos, e a Prefeitura de Belém vem mantendo uma avaliação diária contínua, ao lado do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Belém (Setransbel) para distribuir essa oferta de forma a melhor atender a quem ainda precisa sair e usar o ônibus como meio de transporte em tempos de isolamento.”

“Há, sim, momentos muito pontuais de demanda, como no horário de fechamento do comércio, que inclusive baixou para 17h, e em paradas muito específicas que servem exatamente de ponto de distribuição de passageiros por muitas linhas, como é o caso de São Brás. No restante do dia, as paradas e os ônibus estão praticamente vazios, então estamos vendo como manter essa distribuição de veículos sempre equilibrada para essa nova realidade na circulação de passageiros em Belém”, explicou também o superintendente da Semob.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta