Tribunal de Justiça atende prefeitura de Cuiabá, manda fechar comércio e mantém operação do transporte coletivo

Coletivos seguem operando com frota menor, de 1/3 do total de ônibus conforme outra determinação da justiça. Foto: Victor Campos

Ônibus em Cuiabá seguem operando com frota reduzida por ser serviço essencial

WILLIAN MOREIRA

Os ônibus em Cuiabá, capital do Mato Grosso, seguem operando com frota reduzida, atuais 33% aproximados da capacidade máxima disponível.

Uma determinação do Tribunal de Justiça do estado, neste domingo 29 de março de 2020, entendeu que o comércio deve seguir fechado, em atenção a um mandado de segurança, com pedido liminar, impetrado pela prefeitura da capital, contra decreto do Governo do Estado, que autorizava a volta do funcionamento.

Entretanto, os serviços essenciais, dentre eles ônibus e transporte por carro, devem ser mantidos.

Na determinação do Desembargador, Orlando de Almeida Perri, dentre as medidas consta a manutenção e continuidade dos serviços que se classificam como essenciais e, por este motivo, o transporte de ônibus municipal permanece em operação, com taxis e carros por aplicativo liberados para operação, desde que atendendo as recomendações sanitárias como janelas abertas, higienização em cada viagem e outros cuidados.

Os coletivos seguem operando com frota menor, de 1/3 do total de ônibus conforme outra determinação da justiça, essa contra a prefeitura, editada no último dia 22 de março, a qual contrariou a intenção da gestão municipal de suspender totalmente o serviço.

Com a decisão contrária, a prefeitura pede aos passageiros que respeitem as medidas preventivas contra a proliferação do coronavírus no transporte, realizando deslocamentos apenas se for realmente necessário.

Os ônibus, segundo o poder municipal, são higienizados a cada final de viagem e nos terminais foi disponibilizado álcool em gel 70% para higiene das mãos.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta