Idec manda ofícios a órgãos públicos contra paralisação total de ônibus por causa do coronavírus

Publicado em: 26 de março de 2020

Ônibus em São Caetano do Sul, uma das cidades do ABC

A entidade também se mostrou contra a suspensão das gratuidades a idosos como têm feito diversas cidades

ADAMO BAZANI

O Idec – Instituto de Defesa do Consumidor enviou nesta quinta-feira, 26 de março de 2020, um ofício a diversos órgãos públicos, entidades do setor de mobilidade, defensorias públicas, Ministério Público, associações de secretários municipais, associações de prefeitos e associação das empresas de transporte coletivos nacionais recomendando que não haja paralisação total de serviços de ônibus por causa da pandemia de coronavírus.

A entidade diz que diante da queda da demanda pode haver redução de frota para desestimular deslocamentos desnecessários desde que a medida não provoque excesso de lotação nos ônibus.

A frota deve estar nas ruas, de acordo com o Idec, mesmo que reduzida, para atendimentos principalmente de pessoas que estejam em tratamento médico e de trabalhadores de serviços essenciais, como das áreas de saúde, supermercados, limpeza, segurança e do próprio transporte coletivo.

“Recebemos com muita preocupação o anúncio feito por algumas prefeituras com a intenção de paralisar totalmente o transporte coletivo em seus municípios. Toda a população, em especial a mais vulnerável, poderá ser muito prejudicada se essas ações realmente forem adotadas”, disse em nota, o coordenador do programa de mobilidade urbana do Idec, Rafael Calabria.

Diário do Transporte mostrou que algumas cidades que tinham pensado em paralisações totais já estão mudando de ideia.

Por exemplo, os sete prefeitos do ABC decidiram não mais suspender a operação de todas as linhas municipais após uma reunião nesta terça-feira, 24, com a STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos.

Nesta quarta-feira, o secretário Alexandre Baldy disse ao Diário do Transporte e à Rádio ABC que técnicos da pasta estadual e dos municípios do ABC vão tentar criar esquemas operacionais para compatibilizar os horários dos ônibus municipais, ônibus da EMTU, trólebus e ônibus da Metra no Corredor ABD e os trens da linha 10-Turquesa da CPTM.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/03/25/emtu-metra-e-cptm-devem-ter-operacao-coordenada-com-onibus-municipais-do-abc-diz-baldy/

Também nesta quarta-feira, o Diário do Transporte informou que Guarulhos, na Grande São Paulo, também desistiu de proibir a circulação de todas as linhas de ônibus a partir de 01º de abril, mas a redução de frota continua.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/03/25/prefeitura-e-empresas-de-onibus-de-guarulhos-descartam-paralisacao-total-de-onibus-mas-frota-e-reduzida/

O Idec também se mostrou contra a suspensão das gratuidades a idosos como têm feito diversas cidades.

Outras propostas são:

– Cuidado com a saúde dos trabalhadores dos transportes;

– Disponibilização de informação ao usuário com as novas frequências de ônibus;

– Instalação de equipamentos de álcool em gel em terminais, pontos, estações e veículos;

– Limpeza e higienização dos veículos e vagões em cada viagem;

– Redução da velocidade veicular em toda a cidade pois o tráfego reduzido pode aumentar a velocidade e da insegurança.

“O Idec aponta ainda a necessidade de se usar recursos públicos para se manter o serviço, embora a queda de passageiros deva ser equilibrada com a diminuição da oferta de ônibus.”, diz ainda nota do instituto.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta