Coronavírus: Empresas de ônibus de Petrópolis (RJ) preveem 800 demissões

Publicado em: 26 de março de 2020

Folha de pagamento gira em torno de R$ 300 mil por dia útil operado, segundo as empresas. Foto: Divulgação.

Queda na demanda de passageiros supera 75%

JESSICA MARQUES

O Setranspetro (Sindicato das Empresas de Transporte de Petrópolis) afirmou que as empresas de ônibus da cidade, que fica na Região Serrana do Rio de Janeiro, preveem 800 demissões.

Os cortes devem ocorrer em decorrência da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus. As empresas de ônibus da cidade contabilizam uma queda na demanda de mais de 75%.

Em nota, o Setranspetro informou que convocou o Sindicato dos Rodoviários para abrir negociações que pudessem garantir os empregos.

“Entretanto, mesmo após várias reuniões, realizadas desde a última terça-feira (17), o sindicato da categoria recusou a proposta do Setranspetro de redução salarial proporcional a diminuição da carga horária”, informou a entidade patronal, em nota.

“O Setranspetro afirma que caso não ocorra essa redução salarial, não há possibilidade de garantir mais de 800 empregos, já que com a baixa quantidade de pessoas se deslocando, não é possível manter a frota em operação e nem garantir a quitação de todos os custos do sistema, que só com folha de pagamento gira em torno de R$ 300 mil por dia útil operado”, completou.

O cenário não está crítico apenas em Petrópolis. A NTU, associação que representa mais de 500 empresas de ônibus urbanos e metropolitanos de todo o País, prevê que a partir de 05 de abril, os sistemas públicos de transportes podem entrar em colapso com paralisação dos serviços.

Leia mais: Sistemas de ônibus urbanos no Brasil vão entrar em colapso no dia 05 de abril e empresas querem seis meses de suspensão de impostos, diz NTU

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

Deixe uma resposta