Sindicato notifica prefeitura de Campinas a respeito dos direitos dos trabalhadores do transporte coletivo na cidade

Publicado em: 25 de março de 2020

Foto: Fernanda Sunega/Prefeitura de Campinas

Entidade questiona o poder público municipal a respeito dos pagamentos dos motoristas, cobradores e demais funcionários

WILLIAN MOREIRA

O Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários e Anexos de Campinas e Região (STTRACR) notificou a Prefeitura da cidade de Campinas e seu prefeito, Jonas Donizette, nesta quarta-feira, 25 de março de 2020, a respeito de garantias para o pagamento dos salários e benefícios dos funcionários do transporte municipal.

A preocupação do sindicato, além da questão do coronavírus, é que até o atual momento não houve por parte do poder público a garantia dos pagamentos, ainda mais após o decreto de calamidade pública no município que restringiu ainda mais a circulação de pessoas, diminuindo drasticamente o número de passageiros transportados nos ônibus.

Essa queda na arrecadação gera incerteza nos trabalhadores que, de acordo com a entidade sindical, pode deixar mais de 10 mil pessoas, contando o grupo familiar dos funcionários, sem a possibilidade de alimentar suas famílias e cumprir seus compromissos financeiros.

A gestão de Jonas Donizette até o momento reduziu a frota dos coletivos nas ruas, afastou os funcionários do grupo de risco, mas não fez as tratativas em relação a estes pagamentos, afirma o sindicato.

Em entrevista por telefone ao Diário do Transporte, o secretário-geral do Sindicato dos Rodoviários, Jeremias Nunes dos Santos, explicou sobre a negociação com a prefeitura para assegurar os direitos dos trabalhadores.

Protocolamos no dia de hoje (25 de março) e estamos aguardando o posicionamento da prefeitura. Estamos buscando o diálogo, encontrar uma solução para ter uma garantia do pagamento da remuneração do trabalhadores e dos benefícios que eles têm que receber, para pelo menos manter o sustento das suas famílias. Em Campinas houve a redução do transporte, mas a secretaria não se importou com os trabalhadores que estão em casa afastados e os que estão no seu serviço, mas não foi discutido e nem garantido nada, como será feito o pagamento destes profissionais. A Prefeitura não vem se preocupando com essa remuneração e por isso a notificamos para que sintam com nós e apresentem garantias do sustento deles [trabalhadores].”

Jeremias conclui que até o momento a gestão municipal não se manifestou, mas eles estão aguardando uma ação quanto a este problema:

Estamos vendo que o número de passageiros caiu e a receita também, mas esperamos que o poder público chegue neste momento e nos auxilie nesta garantida dos salários dos profissionais, que giram em torno de 10 mil vidas contando outros membros destas famílias.”

Como mostrou o Diário do Transporte, Campinas reduziu a frota do sistema de transporte público coletivo municipal desde esta segunda-feira, 23 de março de 2020.

A medida visa atender a determinação do Decreto nº 20.782, publicado no Diário Oficial do Município em edição extra na manhã de domingo, 22, por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2020/03/23/campinas-define-frota-minima-do-transporte-durante-quarentena-e-coloca-154-linhas-em-circulacao/

Na noite de sábado, 21 de março de 2020, o prefeito de Campinas, Jonas Donizette, em pronunciamento ao vivo pelas redes sociais, anunciou que a cidade do interior paulista entraria em quarentena a partir da segunda-feira, 23.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta