Macapá decreta redução na frota do transporte coletivo

Prefeito de Macapá, Clécio Luís, assinou o Decreto 1.705/2020-PMM, que delimita o funcionamento do transporte coletivo do município

Transporte de passageiros da capital do estado do Amapá deverá funcionar com somente 30% da frota disponível, mas não poderá circular com passageiros em pé

ALEXANDRE PELEGI

O prefeito de Macapá, Clécio Luís, assinou na noite desta sexta-feira, 20 de março de 2020, decreto que delimita o funcionamento do transporte coletivo no município durante o período da pandemia do novo Coronavírus.

Como em várias ações semelhantes de outras capitais, a medida visa evitar aglomerações e segue protocolos de segurança da Organização Mundial de Saúde (OMS) e Ministério da Saúde.

O decreto estabelece que o transporte coletivo de passageiros da capital do estado do Amapá deverá funcionar com somente 30% da frota disponível.

Para tanto, algumas medidas deverão ser adotadas.

A principal delas a o serviço de transporte coletivo não ultrapasse a capacidade máxima para passageiros sentados.

Além disso, as empresas deverão intensificar as ações de limpeza dos veículos a cada percurso realizado, e disponibilizar álcool em gel 70% aos seus clientes.

O sistema de transporte coletivo deverá divulgar informações sobre o novo Coronavírus e das medidas de prevenção, além de adotar regras rígidas de não aglomeração.

Além disso, o decreto da prefeitura determina a intensificação da limpeza dos terminais de passageiros, principalmente nos locais de acesso comum pelos usuários do serviço e os funcionários.

O decreto também institui que as instituições bancárias e correspondentes bancários serão determinados a fornecer atendimento, como regra, via telefone e aplicativos, e, excepcionalmente, sendo extremamente necessário o atendimento presencial. O banco só deverá atender com prévio agendamento, como medida cautelar, de forma a evitar a aglomeração.

Todos os agentes públicos da administração direta e indireta do poder Executivo do Município de Macapá deverão entrar em regime de teletrabalho, com exceção daqueles que atuam nos setores da saúde, segurança pública, limpeza e conservação, e aos que participem dos órgãos que compõem o Comitê de Enfrentamento e Reposta Rápida ao Coronavírus (Covid-19).

O decreto ainda trata dos estabelecimentos de Pet Shop, que deverão funcionar em regime de agendamento e serviços de leva e traz.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Lucifer.dex disse:

    Pera aí não quer passageiro em pé e ainda reduz a frota
    O que q tem na cabeça de um idiota desse. Mds

Deixe uma resposta