Scania, em São Bernardo do Campo, para entre os dias 30 de março e 13 de abril por causa do coronavírus

Ônibus Scania. Empresa diz que ja vinha adotando medidas para comabter o coronavírus

Na Europa, fabricante de ônibus e caminhões relata falta de peças

ADAMO BAZANI

A fabricante de ônibus e caminhões Scania, anunciou nesta sexta-feira, 20 de março de 2020, que vai parar a produção dando férias coletivas aos funcionários que atuam na planta de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, entre os dias 30 de março e 13 de abril.

A medida se dá em razão dos impactos do coronavírus e a necessidade de conter os seus avanços.

Já as concessionárias e suas oficinas continuam em funcionamento, com exceção daquelas localizadas em Estados em que há orientação de encerramento das atividades pelo poder público. O fornecimento de peças não deve ser interrompido.

Em comunicado à imprensa especializada, como o Diário do Transporte, a Scania diz que na Europa também terá de parar a produção. Devido aos fechamentos de fronteiras, já há falta de peças.

Veja na íntegra:

São Paulo, 20 de Março de 2020 – A Scania decidiu fazer uma parada de produção e conceder férias coletivas, no período de 30 de Março a 13 de abril, para seus colaboradores na fábrica de São Bernardo do Campo (SP). “Estamos vivendo uma situação excepcional, sem precedentes e nos últimos dias, medidas de contenção da disseminação do COVID-19 impactaram parte da cadeia de fornecimento, o que nos leva a interromper a produção temporariamente”, explica o Presidente e CEO da Scania Latin America, Christopher Podgorski.

O mesmo aconteceu na Europa no dia 18, a Scania na Suécia anunciou parada de suas operações na maioria de suas unidades de produção europeias a partir do dia 25 de março, devido à escassez de componentes e problemas enfrentados na cadeia de suprimentos. “O fechamento de fronteiras e o confinamento adotados por alguns países impactaram diretamente alguns de nossos fornecedores. Lembrando que estamos falando da indústria automotiva, que possui uma cadeia altamente integrada e globalizada”, conta Podgorski.

Com o objetivo de manter o compromisso com os clientes e a sociedade, as concessionárias e suas oficinas continuam em funcionamento, com exceção daquelas localizadas em Estados em que há orientação de encerramento das atividades pelo poder público. O abastecimento de peças aos clientes segue regular e como atividade prioritária. Além disso, as casas estão adotando rígidos protocolos de controle de higiene e limitações no contato pessoal. “Fazemos parte de uma indústria essencial ao desenvolvimento, progresso e bem-estar da sociedade. O transporte e a logística são vitais no atendimento às atividades como a distribuição de alimentos, medicamentos e outros gêneros de primeira necessidade, por isso a importância em dar continuidade aos fluxos da cadeia de fornecimento e assegurar que a população tenha disponibilidade de produtos e serviços”, ressalta.

Desde o mês de janeiro, a Scania acompanha diariamente os desdobramentos do avanço da disseminação do COVID-19 no país e no mundo, “estamos lidando com uma ocorrência global, que exige de nós constante análise e prontidão para fazer mudanças e adaptações imediatas frente às incertezas que surgem a cada instante”, completa. “Os impactos sociais e econômicos do COVID-19 estão em escalada, nossa responsabilidade é buscar mitigar e minimizá-los.”

Em linha com as recomendações e determinações da Organização Mundial da Saúde, do Ministério da Saúde, das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, a Scania implantou iniciativas para prevenção do vírus, como ações de limpeza redobrada, orientação médica constante aos colaboradores, além de estabelecer uma estratégia para reduzir a circulação de pessoas na empresa com cancelamento de eventos, minimização de reuniões presenciais e implementação de trabalho remoto das equipes.

Como mostrou o Diário do Transporte, outras produtoras de ônibus, sejam chassis ou carrocerias, também anunciaram períodos de paralisações.

– Mercedes-Benz (30 de março a 19 de abril)

– Volvo (30 de março a 30 de abril)

– Scania (30 de março a 13 de abril)

– Marcopolo (23 de março a 03 de abril)

– Busscar (23 de março a 29 de março, com possibilidade de prorrogação)

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta