Polícia do Rio vai exigir que cariocas expliquem necessidade de estar no transporte público

PM fará seleção de quem poderá trafegar em 14 estações de trem, três estações de metrô e nas barcas.

Objetivo da PM é fazer cumprir as determinações do decreto do governo do estado que suspendeu a circulação do transporte intermunicipal de passageiros na ligação da Região Metropolitana com a cidade do Rio

ALEXANDRE PELEGI

A Polícia Militar do Rio de Janeiro vai fazer barreiras físicas no transporte público da cidade para intensificar o combate ao novo coronavírus.

Por meio desse processo, os policiais promoverão uma seleção de quem poderá utilizar as 14 estações de trem, três estações de metrô e barcas.

Como mostrou o Diário do Transporte, nesta quinta-feira, 19 de março de 2020 o Governo do Estado determinou, por meio do decreto 46.980 que, a partir do primeiro minuto deste sábado 21, está suspensa a circulação do transporte intermunicipal de passageiros que liga a Região Metropolitana à cidade do Rio de Janeiro. Relembre: Coronavírus: Decreto isola Estado do Rio de Janeiro e transporte é afetado

As exceções são trens e barcas (sistemas ferroviário e aquaviário), que operarão com restrições definidas pelo Governo do Estado, para atendimento a serviços essenciais. A restrição não se aplica aos carros particulares.

Em entrevista à TV Globo, o porta-voz da PM, coronel Mauro Fliess, explicou que a seleção das pessoas que poderão utilizar o transporte será feita com cautela: “iremos utilizar barreiras físicas, onde será feita a seleção dos profissionais que se identifiquem como necessárias para entrar na capital“.

O objetivo da Polícia Militar é fazer cumprir as determinações do decreto.

Como informou o Governo do Estado em seu site, a partir de sábado, 21, oito estações da SuperVia serão fechadas: Ramal Japeri (Presidente Juscelino e Olinda), Ramal Belford Roxo (Coelho da Rocha, Agostinho Porto e Vila Rosali) e Ramal Saracuruna (Jardim Primavera, Campos Elíseos e Corte 8). No sistema aquaviário, será interrompida a operação nas estações de Charitas (Niterói) e Cocotá (Ilha do Governador).

“Só poderão embarcar nos transportes públicos trabalhadores de setores definidos como ‘essenciais’, como saúde e respectivos serviços de apoio; segurança pública e respectivos serviços de apoio; além de outros serviços, como farmácias, mercados, jornalistas, transporte de cargas e logística, postos de gasolina, entre outros. A relação oficial dessas categorias está sendo finalizada. 

Para controlar o acesso, haverá pontos de controle em 18 estações (14 da SuperVia, 3 do MetrôRio e 1 da CCR Barcas). Nesses locais, haverá funcionários das Concessionárias que, com o apoio da Polícia Militar, farão a triagem dos usuários. Inicialmente, o embarque ocorrerá por meio da apresentação da carteira de trabalho/funcional ou do crachá que identifique o setor de atuação. 

Aplicativo – Também estarão suspensas, a partir dos primeiros instantes de sábado, dia 21 de março, o transporte de passageiros por aplicativo entre municípios da Região Metropolitana para a cidade do Rio de Janeiro, e vice-versa”, completa comunicado do Governo do Rio.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta