BYD chega ao centésimo chassis 100% elétrico a bateria fabricado no Brasil e promete articulados de 22 metros para este ano

Publicado em: 19 de março de 2020

DCIM100MEDIADJI_0519.JPG

Fábrica instalada em Campinas afirma que capacidade de produção pode ser ampliada para 1440 chassis por ano

ALEXANDRE PELEGI

O mês de março traz uma marca histórica para a unidade da BYD de Campinas, pioneira no Brasil na fabricação de ônibus 100% elétricos movidos a bateria.

Instalada no interior paulista a cerca de 100 quilômetros da capital, a linha de produção responde pela montagem de ônibus padron de piso alto (D9A), piso baixo (D9W) e Midi Bus (D7M).

A empresa garante que ainda em 2020 produzirá chassis para ônibus articulados de 22 metros, tanto de piso baixo, quanto de piso alto.

A fábrica tem hoje capacidade de produção de 720 chassis por ano, e a BYD afirma que pode expandir para 1440 chassis anuais.

Tyler Le, presidente da BYD Brasil, afirma que produzir 100 chassis de ônibus elétricos a bateria é algo grandioso no Brasil. “A América Latina tem demonstrado em diferentes países que é possível eletrificar as frotas em busca da redução dos gases poluentes na atmosfera. No Brasil, a chegada dos ônibus à São Paulo na maior cidade do Brasil, é um marco desta expansão”, afirma Tyler.

Além de São Paulo, que tem hoje em operação 15 ônibus elétricos em uma só linha, já existem no Brasil ônibus 100% elétricos nas cidades de Brasília, Bauru, Campinas, Maringá, Santos e Volta Redonda.

Movidos a bateria de fosfato ferro lítio, os ônibus elétricos representam um grande instrumento para a redução de poluentes locais e de gases causadores do efeito estufa. Na média, cada ônibus a combustão consome 90 litros de diesel em um dia de operação, afirma comunicado da empresa. “Sendo assim, cada ônibus elétrico deixa de emitir 110 ton/ano de CO2 na atmosfera”, diz a BYD.

Além de não poluente e silenciosos, os ônibus elétricos são econômicos, tendo custo operacional 70% menor que um ônibus a diesel convencional, segue o comunicado.

Na comparação com o diesel, o gasto com o abastecimento elétrico chega a ser equivalente 25% do que a de um veículo a diesel. Além disso, o número reduzido de peças em um veículo 100% elétrico reduz drasticamente a necessidade de manutenção, proporcionando maior disponibilidade do veículo em comparação ao convencional à combustão”, completa o texto da fabricante chinesa.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa tarde.

    Em tempos difíceis uma BOA NOVA, isto é ótimo.

    Faltaram as bandeiras do BaesiLei e da China.

    Legais a foto e o chassi, parece que ele dispensa o degrau ALTO INTERNO, isto é sensacional.

    Att,

    Paulo Gil

  2. Zé Tros disse:

    Dispensa pq não é piso-baixo. Esse chassi da foto é piso alto. Todo chassi low-entry tem um degrau interno na região do eixo traseiro, com os que vc utiliza em São Paulo. Somente os low-floor é que não tem pq o piso tbm é baixo na região do eixo traseiro.

Deixe uma resposta