Empresas de ônibus de Uberaba entram na Justiça contra greve de motoristas

Publicado em: 7 de março de 2020

Foto: Neto Talmeli / Prefeitura de Uberaba

Concessionárias entraram com ação cautelar alegando ilegalidade do movimento, pois  negociações ainda não foram encerradas

ALEXANDRE PELEGI

A Prefeitura de Uberaba, no Triângulo Mineiro, foi comunicada pelo desembargador do Trabalho, Fernando Luiz Gonçalves Rios Neto, que terá de manter, em caso de paralisação dos motoristas do transporte coletivo na cidade, no mínimo 60% da frota em operação.

Em caso de descumprimento, caberá pena de multa diária de R$ 50 mil ao sindicato dos trabalhadores.

A resposta da Justiça do Trabalho veio em função de um pedido de medido cautelar impetrado pelas empresas de transporte coletivo, com vistas a barrar a paralisação programada para a próxima semana.

Após aprovarem indicativo de greve em fevereiro, os motoristas de transporte coletivo protocolaram nesta quinta-feira, 05 de março de 2020, uma notificação oficial à Prefeitura e às empresas de ônibus comunicando sobre a paralisação de atividades na próxima semana.

O Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Coletivo Urbano de Passageiros (Sintracol) ainda não definiu quando iniciará a paralisação.

As empresas de ônibus da cidade mineira afirmam que a negociação salarial não foi encerrada, o que configura o movimento como uma violação à lei da greve. O sindicato patronal alegou que a data base da categoria é agosto.  Além disso, as empresas reiteram que o Município se recusou a fazer o reajuste tarifário em 2020. Relembre: Uberaba decide não reajustar tarifa do transporte coletivo em 2020

O movimento paredista não foi considerado abusivo, mas a Justiça do Trabalho reconheceu que pode gerar transtornos aos usuários, uma vez que o sindicato não apresentou escala mínima de operação durante a paralisação.

As empresas apontaram no pedido de liminar que 70 mil passageiros por dia, e com sistema integrado, a greve em uma empresa compromete o serviço de forma geral.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta