Dívidas da CMTC com empresas de ônibus cobradas na justiça somam R$ 135 milhões

Publicado em: 22 de fevereiro de 2020

Empresas alegam déficits com congelamentos

Gerenciadora espera R$ 0,20 de aumentos tarifários e diz que desonerações poderiam até mesmo reduzir valor pago pelos passageiros

ADAMO BAZANI

Enquanto a indefinição sobre as tarifas de ônibus da Região Metropolitana de Goiânia se prolongam, também crescem os valores cobrados pelas companhias de transportes à CMTC.

O total é de R$ 135 milhões em ações judiciais referentes a congelamentos tarifários.

Segundo o jornal Diário de Goiás, são cobrados déficits gerados, de acordo com as empresas, em 2013 e 2017 pelos congelamentos de tarifas e em 2014, quando o reajuste foi inferior ao que as viações calcularam.

A CMTC – Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo gerencia os serviços na Grande Goiânia.

Segundo o presidente da CMTC, Benjamin Kennedy, ao jornal, se houver um novo congelamento, prefeitura de Goiânia e governo de Goiás devem fazer aportes financeiros porque mais ações devem recair sobre a gerenciadora.

Como mostrou o Diário do Transporte, a AGR (Agência Goiana de Regulação) aprovou nesta quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020, reajuste no valor da passagem de ônibus em Goiânia e Região Metropolitana.

O índice proposto pela CMTC (Companhia Metropolitana de Transportes Públicos) representa um aumento de 4,6%, passando dos atuais R$ 4,30 para R$ 4,50 em data a ser definida.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/02/20/agencia-de-regulacao-aprova-reajuste-na-tarifa-de-onibus-para-r-450-na-grande-goiania/

A promotora do Ministério Público, Leila Maria de Oliveira, recomendou, porém, que o reajuste não seja aplicado sem o esclarecimento de diversos pontos. De acordo com a promotora, a proposta de aumento tem itens que não estão previstos no contrato com empresas de ônibus, como as gratuidades de algumas passagens e o custo de manutenção dos terminais.

A CMTC apresentou uma proposta de desoneração da tarifa, pela qual o valor poderia passar para R$ 3,25.

Para isso, o poder público deveria custear diretamente as gratuidades, os terminais, as linhas semi urbanas e o transporte acessível, incluídos na tarifa do sistema.

Ainda de acordo com estudo da CMTC, nos últimos cinco anos, o sistema de ônibus perdeu quase 50% de sua demanda de passageiros.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. WANDERSON J GOMES disse:

    Os governos aqui só fazem mesmo. Prefeituras e Estado!!. Todos culpados. !!FIM CDTC FIM !!CMTC !!

Deixe uma resposta