Metrô do Recife volta a operar normalmente 14 horas após colisão

Publicado em: 18 de fevereiro de 2020

Um trem estava parado na estação quando outro chegou e ocorreu a colisão, segundo a CBTU. Foto: Divulgação.

Acidente ocorreu na Estação Ipiranga, na Zona Oeste, e deixou mais de 60 passageiros feridos

JESSICA MARQUES

O Metrô do Recife, em Pernambuco, voltou a operar normalmente na noite desta terça-feira, 18 de fevereiro de 2020. A normalização ocorreu 14 horas após uma colisão entre dois trens.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2020/02/18/colisao-de-trens-do-metro-do-recife-deixa-mais-de-30-feridos-e-paralisa-linha/

O acidente aconteceu na Estação Ipiranga, na Zona Oeste, de acordo com informações da CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos) à mídia local.

A Secretaria de Saúde de Pernambuco informou que 60 feridos foram levados para unidades estaduais e outras oito pessoas foram encaminhadas a outros locais para tratar ferimentos.

Ainda de acordo com informações da CBTU, um trem estava parado na estação quando outro chegou e ocorreu a colisão.

O Grande Recife Consórcio de Transportes reforçou as linhas de ônibus que passam pela região durante a interrupção do funcionamento do Metrô.

Diariamente, cerca de 250 mil pessoas utilizam a Linha Centro. A CBTU informou que acionaria o Grande Recife Consórcio de Transportes para ativar o reforço de ônibus para a região.

O sistema de trens urbanos da capital conta com 37 estações e passa pelo Recife, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e Cabo de Santo Agostinho. Dessas, 17 são exclusivas da Linha Centro e duas são compartilhadas com a Linha Sul.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Laurindo Martins Junqueira Filho disse:

    Faltam comentários sobre as razões desse acidente. Eu sou até capaz de adivinhar q irão dizer q foi “falha humana”…
    É preciso q nossa comunidade esteja atenta para isso, pois não é admissível q um sistema q transporte 250 mil/dia venha a ser vulnerável a “falhas humanas”. Algo deve estar errado no projeto, na manutenção, na operação e no custeio do metrorec.

Deixe uma resposta