Volkswagen entrega 160 ônibus padrons em São Paulo e Dibracam diz que novas negociações estão em andamento

Publicado em: 14 de fevereiro de 2020

Parte da nova frota da Express

Volume corresponde a dois anos de vendas. Modelo 18.280OTS integra frotas de companhias como MobiBrasil e Gatusa. Entregas mais recentes foram na Express

ADAMO BAZANI

A Volkswagen tem no modelo 18.280OTS de ônibus urbano do tipo “padron”, uma das principais apostas para ampliar sua participação no mercado da capital paulista.

Os modelos de 17.230 17.260 (motorização dianteira), que têm grande aceitação no subsistema local de distribuição (linhas dos bairros), também são considerados essenciais na estratégia da Volksbus para São Paulo.

Nos últimos dois anos, foram 160 unidades do 18.280OTS para o sistema paulistano.

A mais recente entrega foi para a Express Transportes Urbanos, empresa que atua em parte da zona Leste da capital paulista (área 4) e que comprou 40 unidades.

Outras companhias já operam com o modelo, como a Gatusa (zona Oeste) e Mobi Brasil (zona Sul).

O representante de vendas da concessionária Dibracam, Marcos Meggiolaro Eugênio, disse em nota ao Diário do Transporte que mais ônibus com a mesma configuração devem ser vendidos para empresas da capital paulista ainda neste ano, já que existem “grandes perspectivas de crescimento com novas negociações que estão em andamento.”

Segundo Meggiolaro, um dos diferenciais do ônibus é que para atender às atuais normas de emissões de poluição vigentes no Brasil, com base no padrão internacional Euro V, não há necessidade do uso do fluido ARLA 32 (Agente Redutor Líquido Automotivo, com 32,5% de ureia industrial). Isso é possível pelo sistema de recirculação de gases de escape (EGR – sigla em inglês).

O motor é MAN D 08 Euro V, de 06 cilindros e 280 CV de potência. A transmissão é automática ZF Ecolife de 06 marchas e o veículo ainda conta com retarder, freios ABS+ABD e sistema de ajoelhamento (Kneeling).

Todas as unidades entregues para a capital paulista são de carroceria Caio Millennium, de 13,2 metros, que já seguem as determinações da SPTrans para ônibus padrons, com ar-condicionado, vidros colados, piso baixo com rampa para pessoas com dificuldade de locomoção, carregadores USB para celulares e notebooks e preparação para equipamento de wi-fi.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia

    Soma-se a esta entrega, a dos novos da MobiBrasil e outros.

    Como se explica esse fenômeno, se o faturamento está menor e caindo a cada dia?

    Ainda não nasceu um contador que vai me explicar isto contabilmente.

    Alguém paga essa conta.

    Quem? quem? quem?

    Esta é tão fácil que até eu mesmo respondo:

    O CONTRIBUINTE.

    Está ai a prova material e cabal que a choradeira da NTU não cola, nem com super cola.

    E haja subsídios na lomba do contribuinte.

    Att,

    Paulo Gil

  2. José disse:

    Acho que está na hora da vw lançar uma nova linha de ônibus, desde de 2012 a mesma coisa, só incluiu suspensão a ar e mais nada

  3. Zé Tros disse:

    O segmento de ônibus e caminhão tem vida mais longa. Mesmo o segmento de carros de passeio não há mudanças significativas de um ano pra outro.

    A próxima mudança agora só em 2023 quando entrar em vigor as normas Euro 6 aqui no Brasil.

  4. Dênis disse:

    A mentalidade da SPTrans e empresas da cidade está ultrapassada. Compram veículos padrons e articulados como se ainda estivessem na década passada. Na década passada a demanda era crescente. Hoje a demanda é descrescente devido à expansão do Metrô e aos carros por aplicativos. Veículos padrons e articulados devem rodar APENAS em rotas total ou majoritariamente cobertas por corredores ou faixas de ônibus. Em todas as outras a solução são MIDIS E MICROS. SÓ MIDIS E MICROS SÃO VIÁVEIS EM ROTAS SEM FAIXAS EXCLUSIVAS, CORREDORES E COM TROCAS CONSTANTES DE FAIXAS. SÃO VEÍCULOS ÁGEIS QUE REDUZEM O TEMPO DE VIAGEM E OS PEQUENOS ACIDENTES. A POLÍTICA ATUAL DE COMPRAS DE GRANDES VEÍCULOS ESTÁ GERANDO UMA INFLAÇÃO ARTIFICIAL NA TARIFA, UMA BOLHA QUE NÃO TEM RAZÃO ALGUMA DE EXISTIR. ALTEREM A POLÍTICA DE VEÍCULOS DAS LINHAS E TODOS VÃO ECONOMIZAR, USUÁRIOS, EMPRESAS E PREFEITURA.

  5. Maurício Oliveira nogueira disse:

    E mesmo vendendo milhares de chassis e carroceria por ano elas insistem em dizer que tem prejuízos

Deixe uma resposta