Alagamentos e queda de barreiras comprometem operação de 13 linhas de ônibus em Petrópolis (RJ)

Publicado em: 13 de fevereiro de 2020

Impactos são sentidos desde a manhã desta quinta-feira

JESSICA MARQUES

A chuva que atinge a cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro, desde o início do ano continua gerando impactos na operação dos ônibus, conforme informado pelo Setranspetro (Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários de Petrópolis).

Nesta quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020, alagamentos, abertura de buracos e quedas de barreira em diferentes localidades do município estão resultando em mudanças de itinerários e pontos de paradas, além da suspensão temporária de duas linhas de ônibus. Ao todo, 13 itinerários foram afetados.

Confira a operação dos ônibus, segundo o Setranspetro:

A Cidade Real está com interferência na linha 107 – Terminal Bingen (Via Manoel Torres), que desde o dia 8 de janeiro está cumprindo o trajeto somente do Centro até à comunidade Manoel Torres, após o comprometimento da estrutura da ponte localizada na saída da Rua Alice Hervé, que ficou danificada diante da chuva.

Neste mesmo período, a linha 123 – Centenário começou a operar de forma diferenciada, após a interdição da Rua Pedro Stumpf Sobrinho. Com isso, nas viagens sentido bairro, o coletivo está seguindo somente até o ponto de ônibus localizado próximo à sede da Associação de Moradores do Centenário. Nas partidas sentido Rodoviária do Bingen, o ônibus está seguindo pela Rua Conorel Duarte da Silveira.

Já na manhã desta quinta-feira (13), devido à queda de barreira na Rua Bartolomeu Sodré, no Caxambu, a linha 135 – Caxambu Luzitano (Via Eliza Mussel) ficou completamente impossibilitada de atender a região.

Outra empresa prejudicada é a Cidade das Hortênsias, que está desde o dia 2 de janeiro com alteração na linha 316 – Floresta (Via Francisco Scali). O coletivo está atendendo apenas a região do Quissamã, fazendo o embarque e desembarque de passageiros no Terminal Itamarati. A abertura de uma cratera na Rua Francisco Scali está impedindo a circulação do coletivo na Rua Francisco Scali. Além disso, a mesma linha, no trajeto sentido Floresta, não está passando pela Rua Henrique Paixão, após parte do trecho da pista ceder.

Pela Petro Ita, a linha 402 – Taquara teve o ponto final alterado para a Rua Antônio da Silva Ligeiro, na localidade popularmente conhecida como “antigo ponto final”, por conta da falta de condições viárias da região. Já a linha 470 – Santa Isabel não está operando no Caxambu, devido a queda de uma barreira na Rua Flávio Cavalcanti.

Na empresa Cascatinha, a linha 517 – Comunidade do Ventura continua parando antes do ponto final, na Rua Silvino Rodrigues dos Santos. A linha 520 – Fragoso também não está seguindo o itinerário completo. O ônibus está parando na Rua Caminho do Valter, 100 metros antes do ponto final. O mesmo acontece com a linha 525 – Comunidade do Neylor, que está concluindo o trajeto 50 metros antes, na Rua do Sítio.

Já a Turb Petrópolis está com quatro linhas de ônibus comprometidas. A 703 – Santa Mônica (Via Sítio do Moinho) está parando 900 metros antes do ponto final, na Estrada Correia da Veiga. A linha 707 – Fagundes continua sem atendimento nas localidades Posse dos Coqueiros (parando 1,8 Km antes do ponto final) e Anápolis (concluindo itinerário 2,2 Km antes do destino).

A linha 728 – Jurity também não está indo até o ponto final, parando 400 metros antes. Enquanto isso, a linha 729 – Albertos apresenta a situação mais crítica. O coletivo não está circulando pela Rua dos Albertos, parando 8,4 Km antes do ponto final.

O Setranspetro e as empresas de ônibus aguardam as ações dos órgãos responsáveis pela manutenção e desobstrução das pistas, para a normalização do atendimento nas localidades afetadas pelas consequências das chuvas.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta