Indenizações pagas por acidentes de trânsito crescem 8% em 2019

Publicado em: 8 de fevereiro de 2020

Com cerca de 30% da frota nacional, as motos concentram 77% das indenizações do DPVAT. Foto: José C. Farina / Agência Senado

Em mais de 235 mil casos, pessoas ficaram com algum tipo de sequela permanente

ALEXANDRE PELEGI

Informações do Relatório Anual 2019 da Seguradora Líder, administradora do Seguro DPVAT, mostram que o número de indenizações pagas por acidentes de trânsito no Brasil cresceu 8% em 2019 em relação a 2018.

Ao todo foram 353.232 pagamentos, repetindo um cenário que já é comum nos anos anteriores: as motos são os veículos que mais se envolvem em acidentes.

Do total de pagamentos, 40.721 indenizações foram por Morte.

Outras 235.456 por Invalidez Permanente e 77.055 por reembolso de Despesas de Assistência Médica e Suplementares (DAMS).

Como se vê, a cobertura de invalidez permanente responde por 67% dos casos, crescimento de 3% no número de pagamentos em relação a 2018.

Houve crescimento também nas indenizações por Morte, 6% na comparação com 2018. A cobertura por reembolso de Despesas (DAMS) apresentou o maior crescimento, 25% mais reembolsos.

Com cerca de 30% da frota nacional, as motos concentram 77% das indenizações do DPVAT, mais de 273 mil indenizações.

Os homens concentram mais de 80% das indenizações por morte em acidentes com motocicletas.

É dos motociclistas ainda o título de principais vítimas nas indenizações pagas por Morte e Invalidez Permanente por acidentes nesse tipo de veículo em 2019 – 62%.

Homens e jovens segue sendo o perfil das vítimas dos acidentes de trânsito no país: 75% de indenizações pagas foi para vítimas do sexo masculino, com a faixa etária mais atingida de 18 a 34 anos representando 46% do total das indenizações pagas (163 mil).

Os motoristas representam 57% das indenizações pagas (22.276) para acidentes fatais. Os pedestres ficaram em 2º lugar (29%), assim como nos acidentes com Invalidez Permanente (35%).

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta